Portal dedicado ao Espaghetti Western

Letras-Lyrics-Song-Sung-Espaghetti Western-História-Músicas-Entrevistas-Curiosidades-Pesquisa-Opinião-Atores Brasileiros no Espaghetti Western-Atualidades-Homenagens-Resenhas-Sinópses-Subtitles-Legendas-Filmes.

01 janeiro 2016

Un Animale Chiamato Uomo [Um Animal Chamado Homem] - Especial Brasil


Um Animal Chamado Homem
Un Animale Chiamato Uomo
An Animal Called Man - USA
Cei Homme est un Animal - França
Produção: Itália 23 de Dezembro 1972
Diretor: Roberto Mauri
Escrito: Roberto Mauri
Produção: Romano Vincenzo (Mano Vincenzo)
Duração: 86 minutos
Música: Carlo Savina     
Fotografia: Luigi Ciccarese          
Edição: Adriano Tagliavia            
Co Produção: Lattes Cinematografica
e Virginia Cinematografica
Locações: Villa Mussolini - Roma

Vassili Karis - Bill “Dedos Ágeis” Matson/Billy Boy
Gillian Bray (Lillian Bray) - Dra. Yvette
Craig Hill - Mark Forester/Foster
Gilberto Galimberti - Joe
Omero Capanna - Johnny “Língua Veloz” Matson
Carla Mancini - Mulher do fazendeiro                  
Roberto Dell'Acqua - Brigador Loiro na fazenda
Paolo Magalotti - Xerife
Aristide Caporale - Aluguel de Cavalos
e com Sergio Serafini (Sergio Serafin) e Giuseppe Carbone.
 

Roberto Mauri colocou Craig Hill neste filme como mais um pretexto de conseguir atração pelos afecionados do Eurowestern. Realmente este filme é um Espaghetti Western exclusivamente para especialistas e estudiosos do tema do cinema trash assim com eu. 

Colecionadores e saudosistas ainda o buscam para suas filmografias e por possuir alguma cena que os retratam aos bons temos das salas de cinemas da décad de 70. Eu sou um “maluco” assim como eles e a minha opinião sobre filmes como estes são meramente para estudos e historiar o Western produzino da Europa em um tributo aos seus protagonistas, portanto, se alguém for opinar sobre qualidade, esqueçam, esse não é o filme e fujam dele. 


É mais um que apareceu em meio Trinity e Bambino de Enzo Barboni. Roberto Mauri tentou suicidar-se com esta criação de uma dupla de irmãos aprofundando-se em uma comédia sem muito ter do que se rir após a produção de seus outros nove westerns.

Aparentemente dos desajustados viajando em um trenó em forma de barril puxado pela bicicleta francesa de seu Johnny “Língua Veloz” Matson (Omero Capanna), Bill “Dedos Ágeis” Matson (Vassili Karis) encontra-se deitado nele sendo tranportado lembrando “Trinity Ainda é meu nome” em que Terence Hill é puxado pelo seu cavalo numa espécie de cama-trenó. Nenhum cavalo é utilizado, mas sim são pelas pedaladas de Johnny.


Pouparei os diálogos do ínicio mas o seu destino onde chegam é a cidade de Silver City a qual é controlada por um rico fazendeiro “Mark Foster” (Craic Hill).

Ao pisarem na cidade, Johnny arruma uma tremenda luta na rua com uma dezena de populares por causa das gozações da sua bicicleta. Bill participa de um torneiro de tiro cujo primeiro prêmio é de $ 500 dólares e como um bônus, uma noite com a prostitula Yvette (Gillian Bray) dançarina do Bunny Saloon e formada em medicina na França. As roupas esfarrapadas usadas por Bill é um perfeito disfarce para ignorarem-no como um bom atirador e todos mordem a isca.


Foster é o campeão local, mas isso muda quando o mal trapilho Bill o vence no torneio em que é decidido apagando as cinco velas acesas contra as quatro de Foster. A inveja e a arrogância de Foster o leva a proporcionar posteriormente ao torneio, muitas situações que farão com que os irmãos lutem para defender os rancheiros locais que são explorados pelo fazendeiro.

Filmado na Itália nos Elios estúdios este uma Co produção da Tele Itália, portanto, com poucos recursos. Uma comédia politica já que envolve autoritarismo, chantagem, extorção e corrupção em meio aos mais pobres pelo bando de Foster lidaerado por “Joe” (Gilberto Galimberti) sempe bom no papel de vilão.


Johnny chama Bill de burro algumas vezes e pricipalmente nas duas vezes em que ele é alvejado nas nádegas pelos homens de Joe. Yvette, a sua médica particular, lógico trata de fazer os curativos nos seus ferimentos.

As danças da Dra. Yvette (Gillian Bray) e as roupas sensuais que usa no quarto para pagar o bônus de Bill são um show de sensualidade a parte para os olhos dos cowboys.

O xerife (Paolo Magalotti) sempre tentando encontrar provas para incriminar Bill de um assalto no armazém mas Foster elimina a prova do roubo de Johnny para que possa matá-lo ao invés de que ele pague na prisão.


Para provocarem Foster, eles começam a sabotar as suas cobranças de propina aos seus fazendeiros explorados. Eles passam a tirar dinheiro à força dos fazendeiros em nome de Foster provocando-o ainda mais.

Foster os faz prisioneiros na sua fazenda, mas Bill oferece os seus trabalhos ilícitos como sócio nas extorsões, coisa que Foster nunca aceitaria. Os atores fazem o que eles podem, e isso é muito limitado para Karis e Capanna. Quanto a Craig Hill, só dá ordens aos capangas e termina sua última cena em um caixão fúnebre onde acontece uma votação para saber quem irá substituí-lo como chefe.


Uma cena engraçada que destaco é a eleição entre Joe e Bill para eleger quem deve assumir o lugar de Mark Foster por serem sócios nos golpes mas Bill só tem seu irmão Johnny a seu favor na votação e o resto são vários homens de Joe que votam em Joe.

Uma eleição para cumprir as regras do jogo mesmo sabendo-se qual seria o resultado. Como um de seus últimos recursos Foster contrata Johnny, um pistoleiro profissional mata matar Bill e em um belo duelo no saloon, Bill vence o páreo em legítima defesa na frente do xerife, poupando a sua prisão.



O bando de Foster tenta várias formas de eliminar os irmãos, mas eles são muito espertos. Uma das tentativas é a clássica entrada no quarto do hotel e surpreendê-los na cama, mas inútil. Após este último ataque os irmãos decidem visitar Foster em sua fazenda e surpreendê-lo mas ao chegar o encontram morto por Joe que deseja assumir o seu lugar.


Em uma última tentativa em emboscar os dois irmãos o bando finalmente é eliminado e Bill termina com outro tiro nas nádegas. A roupa de Johnny Matson é algo de surreal, mas muito frequente nos Espaghettis. Uma calça Jeans azul, camisa cor de rosa, casaco listrado nas cores preto, branco, roxo e azul, uma cartola com um adereço sugerindo a bandeira americana e uma bota branca, isso mesmo, uma bota branca que presenciei uma única vez em um western. Hilário.
No geral é uma divertida e sarcástica comédia em que os irmãos Matson conseguem livrar os rancheiros da exploração de Mark Foster e Bill Matson ainda leva Yvette com ele partindo da cidade por ordem do xerife.


A música a não ser o tema do filme são variações de outros westerns compostas por Carlo Savina.
Possuo duas verões em DVD de cópias de VHS, sendo uma com áudio italiano e outra em inglês mas ao que parece estão na íntegra sem cortes e isso é importante para colecionadores.

Sei da existência de uma versão francesa e que segundo comentários é boa e sei também que é uma copia de VHS mas ainda não tive acesso a ela para opinar. Foi mais uma boa tentativa de tentar sobreviver com o Espaghetti Western Comédia como tantos outros o fizeram mas não a atura de Bud-Hill com a direação de Enzo Barboni e Tonino Valerii. Inédito na TV brasileria.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Crítica, Opinião e Sugestão - Escreva Aqui: