Portal dedicado ao Espaghetti Western

Letras-Lyrics-Song-Sung-Espaghetti Western-História-Músicas-Entrevistas-Curiosidades-Pesquisa-Opinião-Atores Brasileiros no Espaghetti Western-Atualidades-Homenagens-Resenhas-Sinópses-Subtitles-Legendas-Filmes.

22 fevereiro 2017

Todos Por Um... Cacetada Para Todos [Tutti Per Uno Botte Per Tutti] Especial Brasil


Todos Por Um... Cacetada Para Todos - Brasil
Tutti Per Uno Botte Per Tutti - Itália
Three Musketeers of The West - USA
Los Tres Mosqueteros Del Oeste - Argentina
Vestens Værste Musketerer - Dinamarca
Todos Para Uno, Golpes Para Todos - Espanha
Lännen Muskettisoturit - Finlândia
Les Rangers Défient Les Karatékas - França
4 Yperohoi Trinita - França
Kataigida Me Karate Sto Far West - Grécia
Svi Za Jednog... Bure Za Sve! - Sérvia
Västerns Vildaste Musketörer - Suécia
Alle Für Einen - Prügel Für Alle - Alemanha


Produção: Espanha, Itália e Alemanha 28 De Setembro de 1973
Direção: Bruno Corbucci
Escrito: Peter Berling, Tito Carpi, Bruno Corbucci e Leonardo Martín
Produção: Edmondo Amati
Duração: 93 Minutos
Música: Carlo Rustichelli
Fotografia: Rafael Pacheco
Edição: Vincenzo Tomassi
Design de Produção: Emilio Ruiz Del Río
Decoração do Set: Antonio Visone 
Locações Externas: Almería, Andalucía, Espanha
Co Produção: Capitolina Produzioni Cinematografiche, Dieter Geissler Filmproduktion, Star Films S.A.


Giancarlo Prete (Timothy Brent) - Dart Coldwater Jr.
George Eastman - Mac Athos
Chen Lee  - Chen Lee
Leo Anchóriz - Aramirez
Cris Huerta (Chris Huerta) - Portland
Karin Schubert - Dra. Alice Ferguson
Eduardo Fajardo - Horatio Maurice DeLuc/Felipe LeDuc
Vittorio Congia - Cerimoniador despedida de Dart
Max Turilli - Barão Von Horn/Barão von Gruppen
Peter Berling - Soldado Hans/Trem
Pietro Tordi (Pietro Torti) - Pai de Dart/Ex sargento Dart
José Canalejas - Mendoza
Eleonora Giorgi - Cena de amor com Dart
Gilberto Galimberti - Homem da luta do bolo
Luis Gaspar - Gabriele
José Jaspe - Homem assobiando
Osiride Pevarello - Cuspidor de fogo
Carlo Rustichelli - Lider da Hillbilly Band
Clemente Ukmar - Bandido
E com Roberto Chiappa, Bruno Boschetti, Luigi Leoni, Luigi Antonio Guerra, Giuseppina Cozzi e Lorenzo Ramírez.


No estilo pastelão, um divertido Espaguette Western. Filme engraçado médio com ação baseada em pancadarias as vezes desnecessárias. Lutas e tiroteios exagerados feito por um profissional especialista no gênero, Bruno Corbucci. Esta co-produção Espano-italiana refere-se a um simpático desocupado conhecido como Dart Jr. (Timothy Brent, creditado aqui como Giancarlo Priete), que deixa sua casa em Cheese Valley [O Vale do Queijo] em busca de sua glória como um Texas Ranger assim como o seu velho pai foi, um ex-sargento dos Rangers.

Muito distante de sua terra, ele procura os amigos de seu pai: MacAthos (George Eastman), Aramirez (Leo Anchoriz) e Portland (Chris Huerta), conhecidos como os três inseparáveis Mosqueteiros do Oeste. Dart encontra os três sujeitos nada confiáveis e juntos ajudam a escoltar a bonita médica epidemiologista, a Dra. Alice Ferguson (a futura atriz-pornô alemã Karin Schubert), para transportar remédios a uma vila no México conhecida como San Firmino.

Na realidade ela está contrabandeando ouro para um ditador mexicano. Todos eles unem forças para irem ao México para a cidade de San Fermino onde haverá a negociação do ouro com o ditador e é neste caminho que a maior parte da ação acontece. Ao longo do caminho muitos bandidos e caçadores de recompensas tentam agarrá-los para também descobrir e se apossarem desta fortuna.


Os mosqueteiros como diz o título do filme são exímios lutadores cheios de truques para ludibriarem seus oponentes. Toda a luta e disputa pelo ouro culmina dentro do trem circense do Barão von Gruppen (Max Turilli). Um general revolucionário mexicano e seu exército não sabem, mas apoderam-se da ambulância da doutora na qual está escondido o ouro e os mosqueteiros e a doutora entram para seu exército para continuar a perseguição ao ouro.

Após a ambulância passar por várias mãos ninguém consegue por as mãos no tesouro e ao final uma mensagem nos créditos do filme: "Por enquanto nos despedimos, somente por enquanto". O que dá-se a entender que haveria uma continuação que não houve.

Seu irmão Sergio Corbucci (Django) já havia lançado a um ano antes (1972) (Que Faço no Meio de uma Revolução?), "Che C'entriamo noi con la Rivoluzione?" outra comédia no mesmo seguimento e bem superior a esta. Percebe-se aqui também o estilo de Trinity e Bambino por haver uma cultura à sujidade com um tom de puro humor negro e com violência. Consegue-se sentir vestígios do estilo Enzo Barboni (E. B. Clucher) como em: ¨Trinity é meu Nome¨ e ¨Trinity Ainda é meu Nome¨.

Às vezes até sem motivos presencia-se a ação, diversão, brigas, tiroteios e entretenimento cheio de surpresas em exageros, mas é obvio que o objetivo era este mesmo. “Para a época quanto mais pancada, mais bilheteria.” Objetos são usados como armas em abundância, jogos, lutas engraçadas bem ao estilo Terence Hill/Bud Spencer.

Um roteiro divertido de comédia leve e bobagens em excesso com resultados menores comparáveis à série Trinity. Ele certamente tem um elenco entusiasmado e muito extenso de rostos conhecidos do Espaghetti, e mostram isso quando enfrentam uma exótica vila de lutadores chineses fabricantes de carroças em meio ao Oeste e que tem a participação do ator Chen Lee "Xangai Joe", exímio lutador de Kung Fu que ajuda os mosqueteiros em sua viagem passageira pela vila.


São todos personagens exóticos e divertidos. Uma verdadeira salada talvez com excessiva inspiração de Bruno. "Tutti Per Uno ... Botte Per Tutti" (título original na Itália), "Os Três Mosqueteiros do Oeste" tem como herói principal Timothy Brent que realizou um filme semelhante, ¨Tedeum¨, de Enzo G. Castellari e atuou ao lado de Jack Palance, ambos os papéis têm notável semelhança, aqui como Dart Jr. que rouba as cenas com toda a sua malandragem.

O grandalhão George Eastman tem seu papel limitado aqui e parece que só preencheu a vaga de um figurante que vive bebendo whisky de canudinho. Ficou como um ator secundário, o que não seria habitual a ele no neste gênero. Outros simpáticos atores espanhóis como: Leo Anchoriz, (Poeta, romântico e mulherengo) Chris Huerta, (O comilão e bruto desajeitado) e o Badman Eduardo Fajardo (Ordinário Major Jackson de Sérgio Corbucci em Django) e José Canalejas, (Mendoza, um contrabandista de Armas).

Ótima trilha musical de Carlo Rustichelli que executou muitos trabalhos com Corbucci e que faz uma pontinha como líder da banda no prólogo do filme.


Uma bela fotografia atmosférica de Rafael Pacheco para um roteiro fraco e inusitado com excesso de situações ridículas escrito pelo habitual Tito Carpi, Leonardo Martin e Peter Berling que também está em uma pontinha com soldado Hans, no trem.

Dirigido por Bruno Corbucci, irmão de Sergio Corbucci que faz um trabalho agradável de câmera com zooms habituais e coreografias inteligentes sobre os confrontos, as lutas, brigas tiroteios e cenas panorâmicas. Bruno escreveu e dirigiu vários filmes de Terence Hill e Bud Spencer como: ¨Banana Joe¨ e tantos outros.

Quem sempre gostou de filmes de Hill-Spencer, deve ver este, e se você nunca viu um este será um agradável começo. É um filme que foi feito para a matinê, juvenil e divertido com exceção a cena de nudez da bela atriz Karin Schubert (Dra. Alice Ferguson) que sai de sua banheira mostrando seu corpo escultural e que Bruno Corbucci soube captar discretamente. Para os amantes do Espaghetti Western que nunca assistiram e inédito na TV brasileira. Só exibido nos cinemas.



Trailer áudio Inglês
”Música 1 Track não original”

15 fevereiro 2017

Pistoleiro da Justiça [Il Giorno Del Grande Massacro]


Pistoleiro da Justiça - Brasil
O Mestre Pistoleiro - Brasil
Il Giorno Del Grande Massacro - Itália
The Master Gunfighter - USA
El Pistolero - Canadá/França
Master Gunfighter - Dinamarca
Lahjomaton - Finlândia
O Megalos Ektelestis - Grécia
Legenden Om En Revolvermann - Noruega
Mistrz Rewolweru - Polônia
O Samurai do Oeste - Portugal

Produção: USA, 03 de Outubro de 1975
Diretor: Tom Laughlin (Frank Laughlin)
Escrito: Tom Laughlin (Harold Lapland)
Locações: Big Sur, California, USA
Orçamento: Aproximado $3.500.000
Co Produção: Billy Jack Enterprises
Duração: 106 Minutos
Música: Lalo Schifrin     
Fotografia: Jack A. Marta

Tom Laughlin - Finley
Ron O'Neal - Paulo
Lincoln Kilpatrick - Jacques
Geo Anne Sosa - Chorika
Barbara Carrera - Eula
Victor Campos - Maltese
Hector Elias - Juan
James Andronica - Abel
Richard Angarola - Don
David S. Cass Sr. - McDonald
Doug Jinks - Cowboy Rufião
Mike Lane - Frewen
Burgess Meredith - Voz do Narrador
Angelo Rossitto - Anão do show
Chuck Dawson (extra não creditado)
Patti Clifton e Carmencristina Moreno 


Durante a narração inicial do filme surge nos créditos uma menção à "Billy Jack Rights Presents" que na verdade trata-se de Tom Laughlin e da produtora de Delores Taylor, a Produtora Billy Jack Enterprises.

Após a narração neste prólogo, ela novamente aparece mas não significa que seja um dos filmes da série "Billy Jack" produzidos pela produtora que leva o mesmo nome. Este é sobre um espadachim e pistoleiro que com ajuda de amigos tenta impedir que ricos proprietários e latifundiários aniquilem os índios locais.


O filme é ambientado no sul da Califórnia, perto de Santa Barbara logo após a Califórnia tornar-se parte dos Estados Unidos. Colonos americanos e do governo dos EUA discriminam os proprietários de terras mexicanas e que muitas vezes tiveram suas terras tomadas pela força ou através da desonestidade legal.

O filme centra-se em ricos fazendeiros latinos cujas terras e riquezas estão em risco. Eles decidem desviar um navio do governo dos EUA, saqueá-lo, levar o ouro e afundá-lo. Para prevenir-se de serem capturados, eles planejam um massacre local aos índios Chumash.
 

O herói é o filho adotivo, agora distante (Finley), um mestre espadachim e pistoleiro, que tenta impedir isso enquanto ainda tem que desviar atenções em salvar também a sua família.

Nos anúncios da época havia um slogan sobre ele: "Lutou como um exército e viveu como uma lenda". Quando vi o anúncio deste filme pela primeira vez, corri para as locadoras pra encontrá-lo.


Naquele ano, 1975, tinha em sua sinopse: um filme de aventura e de muita ação e crueldade. Após muita procura por ele, obtive informações de que não seria possível encontrá-lo, pois era um filme produzido exclusivamente para a televisão.

Provavelmente nunca fora lançado em vídeo VHS naquela época, mas encontrei essa cópia disponível na Web copiada da TV a Cabo TNT dublada em Português que não possui boa imagem mas vale pela curiosidade em conhecê-lo.


Qualidade do vídeo: TVRip
Resolução:561 x 344 pixels
Extensão do vídeo: AVI
Formato: MPGE-4
Codec de áudio: AC3 Interleave
Tamanho: 561 Gb
Duração: 106 minutos
Áudio Português Brasil

Links Disponíveis na Web: 

http://www.mediafire.com/?84w05g86lmi63zx 
http://www.mediafire.com/?rad1giwinj6uqi1 
http://www.mediafire.com/?altghyxhtji4256
 

Disponível no Youtube em 2 partes com áudio alemão: 
https://www.youtube.com/watch?v=1UuxwcJEgvw&t=114s 
https://www.youtube.com/watch?v=ytr0hFQItMw&t=1001s 




Movie Instrumental Theme Youtube.

17 janeiro 2017

George Hilton em São Paulo, Brasil Janeiro de 2017




Um dos grandes protagonistas de gêneros populares do cinema italiano, como o Espaghetti Western, Gialli e Poliziotteschi, o ator George Hilton esteve em Sorocaba neste mes e, com muita simpatia e atenção, atendeu fãs por onde passou.

O ator está no Brasil para uma homenagem que acontece na próxima terça-feira, dia 17, na Cinemateca do MAM, no Rio de Janeiro, onde será exibido um de seus filmes: “O estranho vício da senhora Wardh”, de 1971. Ele também irá participar das gravações do documentário George Hilton, uma viagem pelo cinema popular italiano, de Daniel Camargo.

Na terça-feira, dia 10, ao lado do primo Pablo De Arteaga Hill, o ator foi cortar o cabelo no salão masculino Maria Ikeda. Na quarta-feira, participou de um jantar no La Doc.

Nascido no Uruguai, em 1934, e morando na Itália desde 1964, Hilton faz parte de um seleto grupo de uruguaios que conquistaram o mundo. Os filmes que participou até hoje são grande influência em cinematografias do mundo inteiro e são referências para ícones do cinema, como Quentin Tarantino.

Entre os mais de 60 filmes que gravou, Hilton elege apenas quatro preferidos: “Tempo de Massacre” ao lado de Franco Nero, “A cauda do escorpião”, “Os quatro malvados” e “Meu caro assassino”. "Foram os que mais gostei de ter trabalhado, os mais importantes para mim": disse.

Em uma conversa agradável e sem pressa no bar e espaço gourmet que existe na parte interna do Maria Ikeda Masculino, Hilton recordou os colegas com quem trabalhou entre as décadas de 60 e 80, as curiosidades dos sets na época e, claro as musas do cinema italiano e mundial, como Sophia Loren, Gina Lollobrigida e Lea Massari. "Mas, para mim, as duas mulheres mais bonitas de toda a história do cinema foram, sem dúvida, Ava Gardner e Marilyn Monroe", disse.

Sobre os diretores que gostaria de ter trabalhado, Hilton listou Mario Monicelli e Michelangelo Antonioni, com quem quase dividiu os sets de filmagem, por ter sido sondado para protagonizar o filme Profissão: repórter - e que acabou perdendo o papel para Jack Nicholson. "Antonioni quis conversar comigo depois de Tempo de massacre, mas os norte-americanos acabaram escolhendo Jack Nicholson pela fama que ele já tinha", contou.
A frustração seria maior se o papel disputado tivesse sido o de Marlon Brando, no polêmico "O último tango em Paris", de 1972. "Com certeza, se tem algum papel que eu gostaria de ter feito seria o de Marlon Brando, que, para mim, é o melhor ator de todos os tempos", disse.

Até hoje, o filme suscita discussões polêmicas devido às cenas de sexo. Inclusive, no final do ano passado, vários veículos de imprensa norte-americanos divulgaram uma entrevista do diretor Bernardo Bertolucci admitindo que houve estupro real em uma cena não combinada com a atriz Maria Schneider. "Lamento muito. Ela era uma mulher única, minha amiga. É uma pena que tenha morrido tão nova, aos 58 anos", disse Hilton.

George Hilton disse que ainda tem muito para contribuir com o cinema europeu.
Fã de O cangaceiro e de Sônia Braga no cinema brasileiro, George Hilton disse que ainda tem muito para contribuir com o cinema europeu, e adiantou que está envolvido em um projeto que irá reunir os grandes nomes do Espaghetti Western do passado, com os novos atores do cinema italiano.
"Queremos fazer um grande filme, como antigamente", finalizou.


Compilação do site: http://www.jornalcruzeiro.com.br/materia/757729

Os filmes que o ator participou são influência em cinematografias.

Filmogrfia Selecionada

·  Alto Parana (1958)
·  Two Mafiosi Against Goldfinger (1965) (as "007")
·  Two Sons of Ringo (1966)
·  Massacre Time (1966)
·  Any Gun Can Play (1967)
·  Il tempo degli avvoltoi (1967)
·  Halleluja for Django (1967)
·  Poker with Pistols (1967)
·  The Moment To Kill (1968)
·  Trusting Is Good... Shooting Is Better (1968)
·  A Bullet for Sandoval (1968)
·  The Ruthless Four (1968)
·  The Sweet Body of Deborah (1968)
·  Salt in the Wound (1969)
·  The Battle of El Alamein (1969)
·  Sartana's Here... Trade Your Pistol for a Coffin (1970)
·  Testa t'ammazzo, croce... sei morto. Mi chiamano Alleluja (1971)
·  The Strange Vice of Mrs. Wardh (1971)
·  The Case of the Scorpion's Tail (1971)
·  The Case of the Bloody Iris (1971)
·  All the Colors of the Dark (1972)
·  My Dear Killer (1972)
·  The Devil Has Seven Faces (1972)
·  The Two Faces of Fear (1972)
·  Il West ti va stretto, amico... e arrivato Alleluja (1972)
·  Seven Hours of Violence (1973)
·  Man Called Invincible (1973)
·  Holy God, Here Comes the Passatore! (1973)
·  The Killer Must Kill Again (1975)
·  Mark of Zorro (1976)
·  Double Game (1977)
·  El Macho (1977)
·  Taxi Girl (1977)
·  Sweetly You'll Die Through Love (1977)
·  Blazing Flowers (1978)
·  Don't Play with Tigers (1982)
·  The Secret Nights of Lucrezia Borgia (1982)
·  The Atlantis Interceptors (1983)
·  Dinner with a Vampire (TV movie, 1988)
·  College (TV Series, 1990)