Portal dedicado ao Espaghetti Western

Letras-Lyrics-Song-Sung-Espaghetti Western-História-Músicas-Entrevistas-Curiosidades-Pesquisa-Opinião-Atores Brasileiros no Espaghetti Western-Atualidades-Homenagens-Resenhas-Sinópses-Subtitles-Legendas-Filmes.

02 dezembro 2014

4 Tiros Sem Perdão [3 Pistole Contro Cesare] Especial Brasil


4 Tiros Sem Perdão - Brasil
3 Pistole Contro Cesare
Death Walks in Laredo - USA

Produção: Itália e Argélia 1966

Direção: Enzo Peri
Escrito: Carmine Bologna, Enzo Peri e Piero Regnoli (Dean Craig)
Duração: 95 minutos 
Musica: Marcello Giombini
Fotografia: Otello Martelli
Produção: Carmine Bologna
Edição: Adriana Novelli Produção
Design: Giorgio Giovannini
Set Decoração: Giulia Mafai Assistente
Diretor: Moussa Haddad
Mestre de Armas: Rinaldo Zamperla
Locações: Argélia
Co Produção: Dino de Laurentiis Cinematografica e Casbah Film


Thomas Hunter - Whity Selby/Whittaker
James Shigeta - Lester Kato
Nadir Moretti - Etienne Devereaux
Enrico Maria Salerno - Julius Cesar Fuller
Gianna Serra – Debbie – Deborah Smith
Delia Boccardo – Mady/Louise - Cantora
Umberto D'Orsi - Stanford
Femi Benussi - Tula
Ferruccio De Ceresa - Professor
Vittorio Bonos - Bronson
Adriana Ambesi – Mulher no início
Gino Bardi - Popular
Gianluigi Crescenzi - (Gian Luigi Cresscenzi) - Popular
Nicola Di Gioia - Pistoleiro
José Galera Balazote – Capanga de Fuller


Um inescrupuloso bandido é conhecido como Juliu Caesar, “O Fuller”, obsecado por Cesar veste togas romanas, vive em um palácio tipicamente romano com suas várias escravas, em sua enorme piscina de água quente, com vapor, sauna e tem sob suas ordens está um exército de bandidos que vestem roupas pretas como a guarda Pretoriana de Cesar na antiga Roma e tem como objetivo descobrir o ouro de uma mina abandonada na região de Laredo.

O americano Thomas Hunter é Whittaker Selby, o herói aqui com suas armas infalíveis e cheias de truques e que tem a companhia do japonês James Shigeta que possui a prática do kung fu e um terceiro é o francês Etienne Devereaux [Nadir Moretti] que tem poderes magnéticos mágicos e de hipnotismo.


Os três descobrirão em breve que eles são meio-irmãos, ou seja um filho de cada mãe diferente. Mais um Espaghetti Western exótico e um tanto quanto bizarro.
Poderia até ser confundido com um episódio perdido da série de TV Batman que nesta década de 60 fazia um sucesso enorme.

A trama começa com Whity Selby (Thomas Hunter) é procurado por um velho advogado, enquanto vai deixando um saloon dentro do qual ele acaba frustrando um ataque, matando quatro adversários de um jogo de cartas com apenas um tiro com sua pistola de quatro canos, uma do seu arsenal de truques.


O advogado informa a Selby através de uma carta em mãos que seu pai, que morreu há dez anos atrás e que ele nunca conheceu, tinha deixado a sua mina de ouro como parte de uma herança.
O documento é acompanhado de uma foto de uma jovem. Selby viaja para Laredo para recuperar o legado de seu pai, e para tentar identificar a identidade da garota da foto.

Ao chegar na mina de ouro, Selby encontra dois homens em uma missão semelhante - Etienne Devereaux (Nadir Moretti), um homem de origem francesa com poderes mágicos de magnetismo e hipnotismo e Lester Kato (James Shigeta), um japonês especialista e kung-fu.

Durante uma discussão entre os três em considerarem seus direitos à mina, eles são abordados por um velho homem no local, e logo fica claro a partir das explicações do velho que os três são irmãos improváveis, pois seu velho pai, o “Velho Henry Landon” que é muito citado mas não aparece no filme, gostava da companhia de mulheres, e muitas delas e de várias nacionalidades.


Os três irmãos são informados de que seu pai lutou amargamente para manter a sua terra, mas fora obrigado a sair de Laredo pelo poderoso latifundiário "Julius Cesar" Fuller (Enrico Maria Salerno), um homem obcecado pela história do grande líder romano, comparando-o ao poder que ele mesmo possui.

 Fuller é muito possivelmente um dos personagem mais estranhos dos westerns espaghetti que eu já vi. Ele vive em uma réplica de um palácio romano, cercado de escravas seminuas de todo o mundo. Entre elas, Femi Benussi é “Tula” a qual em meio as vaidades de Cesar executa uma dança estranha; uma mistura de Ula-Ula havaina com dança do ventre. Os pistoleiros de preto lembram muito o bando do Major Jackosn em Django se bem que esse é anterior a ele.

O ritmo em que segue o roteiro é alucinante já com a música tema no início "Death Walks em Laredo" em que os três irmãos viajam para Laredo disparando seus revólveres para o ar cavalgando em alta velocidade em uma ação ridícula e desnecessaria. Enrico Maria Salermo aqui em seu segundo Espaghetti, após ter filmado “Bandidos” como Julio Cesar lembra um sósea de Jack Nicholson.

Thomas Hunter é até convincente em algumas situações de violência. O pistoleiro Whittaker Selby interpretado por ele, já visto e apreciado em “The Hills Run Red” [Sangue nas Montanhas - Brasil] (Un Fiume di Dollari), em um certo momento, entra em um saloon, e novamente com outras armas cheias de truques [os disparos saem pela coronha do revólver] faz de um só golpe, sete adversários mortos, e em seguida, sai tranquilamente depois de pagar a conta, inclusive os transtornos causados no estabelecimento.


Há também o curioso personagem “Bronson” (Vittorio Bonos), braço direito de Cesar que veste um terno totalmente branco e que em sua primeira aparição, surge comendo bananas, jogando as casas no decote de uma escrava que lustra os seus sapatos.

História interessante e diferente, com suas muitas reviravoltas e existem também alguns momentos de grande humor como no diálogo entre Selby e o advogado explicando por que levou dez anos para encontrar os três irmãos.
Uma luta feminina em uma cabana entre as beldades Gianna Serra e Delia Boccardo mostrando suas pernas é muito agradável de se ver.


Poderia considerar como um dos Espaghettis mais loucos de todos os tempos, mas lembro-me ter visto outros ainda mais loucos ainda. Belas locações na Argélia que lembra muito bem as pradarías nos estúdios em Almería na Espanha e em certos momentos, o Grand Canyon ameircano.

O surpreendente é que, apesar de todos os excessos no visual da antiga roma e um tom até meio que psicodélico dos anos 60, com visuais multi coloridos, o filme funciona muito bem e também tem um bom ritmo. Além disso, o orçamento disponível para o diretor, Enzo Peri, em seu primeiro e último filme, não estava entre os piores e também tecnicamente o filme é bastante agradável, com uma boa fotografia de Otello Martelli e belas cenas de externas.


A bela trilha sonora de Marcello Giombini contribui e muito para que o filme não fique monótono.
Alguns dos temas lembra mesmo o estilo Giombini como a guitarra em “Sabata, O Homem que Veio para Matar”(Brasil) [Sabata] e belas cenas de externas.
Outra curiosidade é que os animais utilizados no filme faziam parte da guarda presidencial argelina e até mesmo para quem não é fanático e profundo observador, poderá perceber alguns calavos puro-sangue desfilando em algumas belas cavalgadas.
O filme é o único Western filmado na Argélia (se não em toda a África na época) e foi co produzido por Dino De Laurentiis e Casbah Films da Argélia.
Os mesmos que produziram o Cult de Guerra “A Batalha de Argel”.


Só mesmo Dino de Laurentiis para abraçar um desafio destes na época, sair da Itália e ir filmar um Wester na África em meio a Oásis e palmeiras em que o resultado final não se percebe nada diferente dos demais filmados na Europa, mesmo o diretor Enzo Peri citando uma típica festa regional americana muito conhecida, a “Cedar Gap Park Bell Coutry, Texas” onde o japonês Lester Kato desfila seus golpes de kung fu em um grupo de provocadores.
O filme foi mesmo considerado à frente de seu tempo pela audácia de Direção e Produção e para a contaminação em seguida de Westerns com outros gêneros que seriam enchertados como filmes de artes marciais e até mesmo do espionagem de James Bond e podemos citar aqui Sartana e Shangay Joe para comparar.


Versão Áudio Italiano disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=ZjZ1Ole45-0




 

Outra desagradável notícia é a do falecimento do ator hawaiano
James Shigeta em 28 de Julho de 2014 em Beverly Hills, California,
USA, aos 88 anos de idade por falência pulmonar.




Dentre os seus 88 trabalhos para o cinema e a TV americana, presto
aqui a minha homenagem de sua participação em seu único Western
Espaghetti.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Crítica, Opinião e Sugestão - Escreva Aqui: