Portal dedicado ao Espaghetti Western

Letras-Lyrics-Song-Sung-Espaghetti Western-História-Músicas-Entrevistas-Curiosidades-Pesquisa-Opinião-Atores Brasileiros no Espaghetti Western-Atualidades-Homenagens-Resenhas-Sinópses-Subtitles-Legendas-Filmes.

27 dezembro 2012

Nicoletta Machiavelli - Entrevista Exclusiva Brasil 2013

Nicoletta Rangoni Machiavelli - Uma Diva; uma das mais belas, popular e talentosa atriz de seu tempo entre o final da década de 60 e início dos anos 70, nos brinda com uma maravilhosa entrevista em que a princípio começou a ser agendada em Agosto de 2011 e que agora com muito orgulho ela gentilmente nos concedeu e hoje se concretiza.
Alem de contar um pouco sobre sua carreira artística, dará mais ênfase em seus filmes no gênero Espaghetti Western, um contexto em que a entrevista foi elaborada. 
Com personagens marcantes durante sua trajetória no cinema europeu como uma mulher de muitas personalidades sendo a de mais sexy e ingenua à mais intrépida e audaciosa; Deixou-nos uma filmografia digna de bons trabalhos em seus mais variados gêneros em que participou e estrelou, como: Ação, Romance, Ficção, Aventura, Horror, Suspense, Crime-Policial, e muitos outros, inclusive séries de TV.

Por falta de conhecimento nestes outros gêneros e muitos deles ainda inéditos por aqui e este humilde espaço ser dedicado exclusivamente aos fãs do Western Espaghetti, as minhas perguntas serão mais direcionadas a este seguimento não desmerecendo em nenhum  momento os outros trabalhos, todos importantes e apreciados pelos fãs.
Solicitei à Nicoletta que escrevesse o quanto desejasse,  pois percebi que alem de ex-atriz é também uma grande e talentosa escritora que se expressa muito bem.
Achei que se fizesse uma dissertação abrangente, de alguma forma chegaria ao interesse dos milhares de fãs que visitam este humilde espaço.
É uma surpresa para estes fãs,  saber um pouco mais de sua vida através de suas palavras, ela que é indiscutivelmente um dos ícones femininos mais expressivos do Espaghetti Western. Palavras que ficarão registradas em mais uma página na história do cinema para todos nós.
É tão grande a satisfação de que esteja  fazendo isso para  mim que ficou difícil saber o que perguntar  e como perguntar, pois são tantas curiosidades que os “Papparazzis” gostariam de saber e você me proporcionou esta oportunidade única em divulgar em primeira-mão no Brasil.
Consegui resumir para aproximadamente quarenta perguntas de um total de cem que havia elaborado e sei que foi um pouco cansativo em responder a todas. Conhecendo-a o quão inteligente e atenciosa és,  vi que conseguiu responder a todas as questões e até certo ponto, com riqueza de detalhes em algumas delas, e que devido ao tempo, sei que seria difícil de Recordá-los.
Hoje é um dia de festa para os fãs porque ficarão conhecendo um pouco mais sobre você, inclusive suas alegrias, tristezas, enfim, muitas novidades ainda não reveladas até o momento, depois de muitos anos afastada.
Conhecendo-a a algum tempo sei que é uma mulher alegre, simpática, descontraída, inteligente e super competente e tem muito amor ao seu trabalho e a sua vida atualmente, e sei também que é avó a pouco tempo e tem agora o maior tesouro de sua vida com você, o Alesio.

Mas para sabermos os detalhes, vamos as minhas questões:

1 - O que faz atualmente?

Nicoletta: Olá Brasil. Agora vivo em Seattle, estou nos EUA desde 1981 e trabalho como intérprete e professora de língua italiana em faculdades comunitárias e com alunos particulares.
Ocasionalmente trabalho como guia em passeios, inclusive em meu país de origem, a Itália.
Organizo e dirijo pequenos passeios específicos para regiões italianas, mais acentuado na arte e na culinária local.
Sou também, ocasionalmente, um guia de turismo para os italianos e franceses que vêm para Seattle, onde eu moro. Não há muitos turistas internacionais vindo para Seattle, mas eu gosto de ser a anfitriã para minha cidade, sempre que posso.
Nos anos 80 e 90, eu era um guia de turismo em ônibus de turismo para os italianos e franceses no Oeste dos Estados Unidos e Canadá. Foi um grande trabalho, mas sazonal, e um dia o dólar dos EUA subiu e os europeus deixaram de vir!

2 - Sendo considerada uma das mais belas e sensuais atrizes dentro do Espaghetti Western vamos abordar um pouco o filme “Un fiume di dollari – 1966”, (The Hills Run Red – USA),

Nota-se neste filme um pouco mais de vegetação (mais verde) em virtude das locações em Colmenar Viejo na Espanha, onde também fora filmado grande parte da trilogia dos dólares de Leone. The Hills Run Red, originalmente intitulado [Um Rio de Dólares / Sangue nas Montanhas – Brasil] é notável por ser o primeiro western europeu de um produtor, premiado com o Oscar, Dino De Laurentiis.
Filmado na Itália e Espanha, o filme é verdadeiro para o formato do gênero, com um tema de vingança, com muito sangue e violência, e o destaque melodioso de Ennio Morricone que aqui aparece novamente sob pseudônimo anglicizado-Morricone que foi creditado como Leo Nichols (como em Navajo Joe, outra produção de De Laurentiis ), enquanto o diretor Carlo Lizzani passou  por Lee W. Beaver, que já cansado, estava tentando mudar um pouco os clichês do gênero e após o lançamento do filme, a resposta da crítica foi positiva. O filme compensava a falta de originalidade com um rítmo implacável, o desempenho de amplo cenário; Henry Silva como Mendez, tudo bem editado dentro do curso da música de Morricone.
Dentro deste contexto em um filme tão bem elogiado pela crítica: Como foi trabalhar com Thomas Hunter, Henry Silva e o diretor Carlo Lizzani (Crítico de Cinema Revista Bianco e Nero – “hoje com 90 anos” )?
Sua personagem Mary Ann é notável. É impossível assistir ao filme e esquecer sua imagem.
O que você poderia revelar sobre este filme e sua atuação?


Nicoletta: Eu já tinha trabalhado com Carlo Lizzani em 1965 em um de meus primeiros filmes “Pesadêlo de Ilusões - Brasil” (Thrilling – USA), com o ator Alberto Sordi. Grande profissional, como Henry Silva e Thomas Hunter, portanto não houve problemas.
Eu não me lembro muito, desculpe, mas lembro que era um ator de muita bondade mas que fez um personagem muito aterrorizante e piscopático: Henry Silva sempre foi um verdadeiro cavalheiro, e uma pessoa bem humorada, muito generoso com alguém como eu que estava apenas começando no cinema e eu era muito inexperiente sobre a profissão. Acho que Lizzani conseguiu o resultado que desejava neste filme e todos ajudaram.



3 - Você também trabalhou com os atores Anthony Steffen, (Django) William Berger (Sartana) e Mario Brega em "Una lunga fila di Croci - 1969" (No Room to Die - USA), [Uma Longa fila de Cruzes – Brasil], dirigido por Sergio Garrone. Uma bela fotografia de Franco Villa com um pouco estilo de Sergio Leone.

Você interpretou a mestiça “Maya”. Como foi fazer Maya? Lembra-se desse elenco? Como foi trabalhar nesse filme que também é tão cultuado mundialmente pelos fãs? 

Nicoletta: Nunca tinha ouvido falar desse filme por esse nome, acho que conheci com um título diferente mas infelizmente não me lembro de detalhes sobre ele.



4 - Você teve contato mais intimo com estes atores fora das cenas?
Destacando-se que em 1967 você fez dois Westerns e em 1968, foram três.
São cinco filmes Westerns em dois anos. Como foi isso?

Nicoletta: Uma das coisas surpreendente é que ao fazer um western, é que todo mundo se torna parte de uma família, talvez porque você esteja trabalhando todos os dias juntos. Talvez seja porque tudo é ao ar livre, com o cheiro de cavalos e as belas paisagens. Ou talvez seja porque as comodidades usuais de estúdios de cinema são inexistentes como: Não se pode comprar café na esquina, não há possibilidades de condução para a farmácia ou para a mercearia, assim, tínhamos muito tempo livre para um bate papo e fazer amigos.
Alguns atores mantinham-se mais reservados, e para si mesmos, mas realmente não importa, eu fiz amizade com os eletricistas, os tratadores de cavalos e eles eram meus amigos.
Eu ficava assustada e fascinada de estar em um cavalo, os maquiadores e cabeleireiros eram pessoas boas e foram meus conselheiros úteis: Eles me despertavam no início da manhã, eles sugeriam-me alguns movimentos, eles cuidaram de mim quando eu estava triste e riam de mim quando eu estava feliz. Os desenhistas de trajes também foram bons amigos, porque com eles eu amava fazer o meu trabalho, e podíaamos falar sobre moda a vontade e  discutir até o gosto pelas cores das roupas.
A pessoa que fez o meu figurino para “Giarrettiera Colt” ou “Giarrettiera Cold” como conheço e foi ele que me descobriu em Florença quando eu estava no colégio e me trouxera para De Laurentiis. Ele acreditava em mim, e se tornou um amigo. Ele fez as Roupas para Giarrettiera gratuitamente. Foi um filme de baixo orçamento. Eu nunca vou esquecer ele, seu nome era Piero Gherardi.
Ele era gay, e tão antigo quanto minha mãe, mas era um verdadeiro artista.
Ele ganhou Oscars nas categorias Set e Costumes (Traje-Roupa-Fantasia) em “8 ½” (1963) de Federico Fellini  e em “La Dolce Vita” (1960) também de Fellini, então ele me apresentou a Fellini e a Marcello Mastroianni assim que chegou a Roma e ai aconteceu tudo.

5 - No filme “Odia il Prossimo Tuo - 1968” (Hate the Neighbor – USA), ["Vingança Implacável" ou "A Lei do Ódio e da Vingança" -  Brasil],  você interpreta “Peggy Salavas”sob direção de  Ferdinando Baldi, com os atores:  Clyde Garner,  George Eastman, Horst Frank, Ettore Manni, Ken Wood, Franco Fantasia, Paolo Magalotti e Claudio Castellani. Poderia comentar algo sobre sua participação neste filme e sobre este elenco e direção. 

 
Nicoletta: Então, não posso dizer muito sobre estes atores pois muitas vezes as cenas de um filme eram feitas em dias diferentes com diferentes atores e o contato era por muito pouco tempo e eu também era muito tímida. Esses atores sabiam o que estavam fazendo, eu era muito nova.
6 - "La Giarrettiera Colt" – 1968" (Garter Colt – USA), [A Pistoleira Virgem – Brasil].
Este talvez tenha sido o filme que realmente continua conquistando os corações de todos os cowboys do mundo. A sensualidade e doçura de uma jovem e destemida pistoleira e jogadora de poker respeitada por todos em meio a revolução mexicana na luta contra os franceses ainda surpreende.
Neste filme você trabalhou com Claudio Camaso e Walter Barnes.
De acordo com pesquisas em outras fontes, sabe-se que você não gostava da personagem. É verdade?
Este filme é marcado por várias outras curiosidades como:
O penúltimo filme de Claudio Camaso, irmão de Gian Maria Volontè que fora preso por tentativa de homicídio contra sua mulher e veio a suicidar-se em 1977 em sua cela, e sabe-se também que “Lulu” (Giarrettiera Colt) foi o personagem que inspirou Quentin Tarantino a fazer o clássico “Kill Bill”.

Nicoletta: Ooooooh! Isso é incrível!

 
Parece que o diretor Gian Andrea Rocco foi feliz em dirigir um único espaghetti western filmado exclusivamente na Itália e teve a felicidade de tê-la como protagonista do que hoje é: Um cultuado fenômeno mundial.
O que o diretor realmente pretendeu com esse filme?
Como foi pra você mostrar toda a sensualidade com aquelas insinuações nos jogos de cartas.
Poderia relatar tudo o que lembra deste filme? 

 
Nicoletta: Não é verdade. Meu irmão produziu este filme e eu adorei fazer a personagem sim. 
Sei também que este filme nunca fora exibido em um Circuito Italiano e estou feliz em saber de você que gostam do filme no Brasil e América Latina.
Eu recebi uma cópia deste filme o ano passado. Eu não tenho cópias de meus filmes, e eu nunca mantive minhas fotografias.
Quando decidi sair da Industria Cinematográfica, deixei tudo e dei a volta ao mundo com o meu filho pequeno.

7 - Em “Un minuto per Pregare, un Instante per Morire – 1968”, (A Minute to Pray, A Second  To Die – USA), [Caçada ao Pistoleiro – Brasil], também um cultuado western por colecionadores e fãs de todo o mundo, você interpreta “Laurinda” (filha de um ex-comparsa do protagonista, Alex Cord “Clay McCoy”) em uma Co-Produção Ítalo-americana dirigida por Franco Giraldi e um grande elenco de americanos e europeus juntos;  Alex Cord, Robert Ryan, Arthur Kennedy, Enzo Fiermonte, Franco Lantieri, Mario Brega, Antonio Molino Rojo, Aldo Sambrell e Alberto Dell´ Acqua. Como foi pra você trabalhar neste filme com idiomas diferentes? Era muito confuso? A música de Carlos Rustichelli e Bruno Nicolai é outro marco neste filme. Poderia comentar sobre isso? A cena da barbearia é surreal e é classificada com uma das mais tensas do cinema no gênero.


 


Nicoletta: Eu Sou bilíngue desde que eu aprendi a falar porque a minha mãe era americana e meu pai italiano; Em casa se falava o inglês e fora da escola e no mundo foi o italiano.
Mais tarde eu aprendi francês, aos 14 anos, porque eu amava o som dele, assim, não tive problema com línguas.
Eu nunca vi os meus filmes, após terem sido feitos, nem quando eles foram lançados.
Na Itália, foram mostrados na TV, creio eu, e eu não tinha uma TV até que cheguei nos EUA, aos 37 anos!
Fiquei contente em saber mais detalhes curiosos deste filme, pois lembrava pouca coisa dele.

8 - Faccia a Faccia – 1967,  (Face to Face – USA), [Quando os Brutos se Defrontam - Brasil]. Flmado na Itália e Almería/Espanha, sem dúvida nenhuma, um clássico da trilogia de Sergio Sollima que tinha como pano de fundo, temas políticos revolucionários.
Neste filme você também deve ter visto a um desfile de grandes atores. Um time fantástico e inclusive com outras belas mulheres como Jolanda Modio, Linda Veras e Lidya Alfonsi.
Atores de peso no Espaghetti Western como Tomas Millian, Gian Maria Volontè, William Berger, Gianni Rizzo, Angel Del Pozzo, Aldo Sambrell, Nello Pazzafini, José Torres, Antonio Casas, Frank Braña e tantos outros italianos e espanhóis.
Música fantástica de Ennio Morricone e seu parceiro Bruno Nicolai.
Um filme mundialmente conhecido por quem gosta de cinema.
Gostaria que fizesse uma explanação geral sobre a produção desse filme e como curiosidade; Como era a hospedagem de toda essa legião de profissionais nos hotéis e pousadas locais.

Nicoletta: Este é um filme que lembro pouco também. Como eu disse antes, nossas cenas eram frequentemente separadas, os atores vinham para o local, gravavam suas cenas e depois partiam e ficava difícil o contato com todos eles, era tudo muito rápido.
Muitas vezes eu estava fazendo dois filmes de uma vez. Os hotéis em “Almeria” foram ótimos!
Voltei lá para o 2011 FILM FESTIVAL WESTERN ALMERIA e agora eles são ainda melhores!
ALMERIA é uma cidade incrivelmente bela em uma maravilhosa área e um dia eu gostaria de viver lá...


 
9 - "Un  Dollaro a Testa – 1966", [ Joe, Pistoleiro Implacável/Navajo Joe – Brasil], (Navajo´s Land – USA),
Quando se fala neste filme,  lembra-se imediatamente dos nomes de Burt Reynolds e Nicoletta Machiavelli e sua personagem “Estella”; Bela, sensual, personalidade forte de mestiça e guerreira.
Aqui temos um elenco riquíssimo mais uma vez com muitas mulheres bonitas como Tanya Lopert, Franca Polesello, Lucia Modgno, Valéria Sabel e Maria Cristina Sani e falando neste assunto, entre estas mulheres com quem trabalhou no cinema você teve alguma desavença por ciúme de outras atrizes em virtude de sua beleza? Poderia revelar esta curiosidade?
Como foi trabalhar com Burt Reynolds e o diretor Sergio Corbucci neste filme? Eram exigentes?
Poderia falar tudo o que lembra sobre esse filme tendo em vista que é um dos mais cultuados até hoje.
Seria um prazer e de grande valor termos mais informações deste filme, curiosidades, histórias etc, tendo em vista esta grande oportunidade de ter uma protagonista autentica deste Cult consagrado mundialmente.

 

Nicoletta: Não, eu não acredito ter havido ciúme entre eu e outras atrizes e vivíamos sim, principalmente um clima de camaradagem e ajuda mútua entre nós;  Lembre-se Edelzio; Um Western é um mundo machista e nós meninas estavamos felizes de estarmos juntas e fazer parte deste mundo de maneira alegre e divertida, enquanto os “Caras” estavam cavalgando, discutindo, brigando, duelando, atirando com suas pistolas e muitas vezes por nossa causa.
Todos eram exigentes durante um filme, mas não de uma forma desagradável. Foi o primeiro filme de Burt Reynolds como protagonista, ele era quieto e muito profissional, manteve distante, talvez porque ele estivesse cercado por  empolgados agentes italianos.
Corbucci foi um diretor ótimo, mas foi humilde sobre sua arte. Eu não pude me expressar muito naquele tempo, mas eu sentia a sensação de que ele queria fazer também outros tipos de filmes.




10 - Aldo Sambrell (Duncan – Navajo Joe) nunca foi tão odiado nas telas desde de o momento em que é visto tirando o escalpo de uma índia Cherokee, apesar do filme ter sido batizado como Navajo.
Poderia falar deste grande homem e ator homenageado no Almeria Western Film Festival 2011.

Nicoletta: Sim, Aldo era uma  pessoa especial e muito útil nas cenas que fizemos juntos, “apesar de me arrastar pelos cabelos pra fora do saloon em uma das cenas”. Eu não o via além das filmagens. Ele era uma pessoa muito tímida também, e para mim era um grande ator. Ele pareceu tão feroz neste filme, mas era somente boa atuação.

11 - Sabe-se que você trabalhou em alguns Romances "Noir"  e tiveram sucesso.
Entre os vários seguimentos e gêneros cinematográficos que atuou, não existe nenhum em sua carreira clássificado como "Erótico". Você trabalhou em algum? Houveram propostas na época?

Nicoletta: Não lembro quantos foram, mas não tive problema em fazê-los.

12 - Como foi a experiência em trabalhar em 1971 na França, no filme de terror "L´homme au cerveau greffé" no papel de “Helena” com o Director Jacques Doniol-Valcroze e os atores Matheau Carriere e Jean-Pierre Aumont que se tornou um grande Cult filmado na França, Itália e Alemanha?

Nicoletta: Eu nunca vi esse filme e não me lembro muito bem da minha atuação e também não sei lhe responder quanto aos atores. Talvez eu só tivesse uma pequena cena, não sei.
Nesta época eu estava na França atuando em vários filmes com Tony  Arzenta e Alain Delon.
Eu era apenas um rosto bonito e uma atriz que sabia a língua francesa.

13-Dentre todos os seus trabalhos em sua carreira, qual o que mais lhe agradou e qual o que lhe decepcionou?

Nicoletta: Sinceramente, a única coisa que foi mais desagradável para mim foram a "Relações Públicas" .
Como atriz designadna  para conseguir um papel, tinha que ir a festas, coquetéis, enfim, era olhada de cima para baixo como um objeto. Isso era o que mais me decepcionava.



Os filmes que eu amei fazer parte, mas que nunca teve um grande sucesso foram:  "LA Cattura" [Do Ódio ao Amor - Brasil], (The Ravine - USA) um drama  de Paolo Cavara em 1969 com David McCallum (da séerie de TV  “O Agente da U.N.C.L.E” e John Crawford filmado na Itália/Yugoslavia/USA; É uma história ambientada durante a Segunda Guerra Mundial. Holman (David McCallum), é um soldado alemão e Anja (Nicoletta Machiavelli), uma "Partisan" (membro do movimento de resistência à dominação alemã). Holman rapta Anja em um desfiladeiro nevado, e, independente da ideologia de ambos, acabam por se conhecer mutuamente, onde um romance será inevitável.
“Mordi e Fuggi”, de Dino Risi em 1973, uma comédia romantica rodada na Itália e França com Marcello Mastroianni e Oliver Reed; "Scarabea" Hans-Jürgen Syberberg  (Johann Von Syberberg) rodado na Alemanha Ocidental em 1969 atuando ao lado de atores alemães como Walter Buschhoff e Franz Von Treuberg , “Giarrettiera Colt" (A Pistoleira Virgem – Brasil),  um sensual western espaghetti rodado na Itália em 1968 sob direção de Gian Rocco ao lado Claudio Camaso, Walter Barnes e Jaspe Zola. “Le Castagne Sono Buone" de 1970 foi uma comédia também filmada na  Itália com direção de Pietro Germi com o cantor e ator Gianni Morandi e Stefania Casini.

14 - E quais são os melhores que ficaram em sua memória?

Nicoletta: Os "Spaghetti Westerns", porque os locais e as pessoas eram aventureiros.
Scarabea, por causa da liberdade de expressão que me foi permitida pelo diretor alemão e pelo fato de que era um novo tipo de cinema, com uma pequena equipe, era desenvolvido como um documentário; .
“Mordi e Fuggi” porque os atores Marcello Mastroianni  e Oliver Reed eram grandes atores, e da liberdade que o diretor Dino Risi me deu para me expressar;


 

“Una questione D'onore” [Traído Por Uma Questão de Honra], (Itália/França – 1966), que foi o meu primeiro filme como papel de liderança junto com um grande ator, Ugo Tognazzi e dirigido por Luigi Zampa e muitos outros mais que eu não consigo lembrar...



17 - Você gostava de trabalhar nos Espaghetti Westerns ou você preferia fazer filmes de outros gêneros?

Nicoletta: Estávamos nos  60, as mulheres estavam acordando!
O Papel de uma mulher em Espaghetti Western durava poucos minutos. Geralmente você tem que esperar um longo tempo para ouvir uma mulher em um diálogo nestes filmes.
Essa era a impressão que eu tinha. Eu tinha um contrato de 7 anos com a De Laurentiis, e tive que fazer os filmes que a empresa decidia. Tive que romper o contrato depois de 4 anos (1968),  porque eu me senti explorada. Ele ganhou um monte de dinheiro alugando-me para filmes pagando somente o meu salário mensal que não condizía com o trabalho e depois disso fiz outros tipos de filmes e decidi então que o "mundo do cinema" não era para mim.
Portanto, a resposta é sim, eu preferia fazer outros filmes em que eu estivesse mais envolvida.
Depois de ter dito isso, não é engraçado que o "Período do Espaghetti Western” na minha vida é realmente o único seguimento cinematográfico que voltou para mim depois de todos estes anos, retribuindo-me em homenagens agora mais velha e sábia? E retornando a Espanha e participando do “Almeria Western Film Festival”, em 2011, percebi que não importa em qual parte eu estivesse sendo filmada, nessas cidades do Oeste, na poeira, o calor, o desconforto de tudo, foi uma experiência extraordinária na minha vida.

18 - Como se sentia atuando nos Espahetti Westerns, filmes em que na maioria das vezes você era barbarizada e sofria muito nas mãos daqueles bandidos violentos em meio a tanta luta, brigas e confusões?
Como era estar naqueles estúdios empoeirados e desérticos na Itália e Espanha/Alemanha?

Nicoletta: Era tão falso, você não pode mesmo imaginar. Ninguém tocava o outro nessas cenas.
Me sentia alegre, aventureira, às vezes chato, porque esperávamos muito tempo entre as cenas.
E eu,  SHHHHH, eu odiava maquiagem e cabelo! Até hoje eu raramente vou ao cabeleireiro e muito raramente uso de maquiar meu rosto; Só os olhos.

19 - Você pensa em deixar uma biografia ou algo deste tipo para os fãs?

Nicoletta: Por que não?




[Esses nossos Maridos (I Nostri Mariti) 1966 com Alberto Sordi, Nicoletta Machiavelli e Elena Nicolai com direção de Luigi Filippo D'amico. Polêmica comédia de costumes.]

20 - Como você vê o panorama do cinema hoje?

Nicoletta: Eu não sou uma especialista, isso é certo, e eu raramente vou ver um filme. Prefiro filmes documentários que lidam com a realidade, com pessoas de verdade.

21 - Os fãs poderiam esperar um retorno seu ao cinema algum dia?

Nicoletta: Quem sabe? Talvez se fosse presenteado a mim, com essa idade, eu não acredito que receba uma porposta; A vida é grande e inesperada, O importante é vivê-la plenamente.




22 - Sente falta dos artistas com quem contracenou?

Nicoletta: Onde eles estão? Eu não vejo-os na minha vida cotidiana assim facilmente.

23 – Por onde você esteve durante todos esses anos em que não havia a força da internet?

Nicoletta: Eu sei, a Internet é incrível. Eu mudei minha vida completamente pelo menos 4 vezes, eu “fechei portas  e queimei pontes”, eu viajei muito e até parei algum tempo na Índia para meditar por 3 anos, quando meu filho tinha 5 anos.
Quando cheguei nso ​​EUA eu tinha 36 anos e meu filho nunca tinha ido à escola. Então eu decidi que este
seria o lugar para parar por um tempo. Eu fiz todos os tipos de trabalhos, desde a limpeza de casas, restaurantes, e depois começei a ensinar língua italiana e Guia Turístico.

24  - Você sabia que sua biografia e filmografia está imortalizada em um dos maiores dicionários de cinema do mundo chamado “FILMLEXICON DEGLI AUTORI E DELLE OPERE” (de 1955 a 1975) e existe um exemplar no Brasil que pertenceu a um dos maiores pesquisadores brasileiros no assunto “Ivan Casasanta Dantas (1925-1995)?
Ivan foi um amigo pessoal do pesquisador  Marcos Mauricio Lima o qual tem esse exemplar em sua coleção particular, uma obra italiana raríssima a qual o Marcos orgulhosamente possui como a um tesouro.

Nicoletta: Fantástico, não, eu não tinha idéia.

25 - Em 2008, você produziu dois vídeos documentários sobre western em parceria com o diretor Federico Caddeo sendo “A History of Dollars” com pequena duração de 11 minutos e em 2009 “An Indian Named Joe” com duração de 30 minutos com participações de Nori Corbucci e Ruggero Deodato.
Como foi essa experiência para você?

 

Nicoletta: Eu não acho que tenha sido eu. Talvez eu tenha dado uma entrevista sobre o Vídeo de “Navajo Joe” quando eu estava viajando na Itália em visita a minha família.
Eu certamente não os produzi, nem me foi pago para fazer eles e a última vez que vi Nori Corbucci foi  no set de Navajo Joe.

26 - Existem informações no MDB.NET que recentemente, no início de 2012, você participou de um filme documentário “Eurocrime! The Italian Cop and Gangster Films That Ruled the '70s” com 1:37 minutos de duração com direção de Mike Malloy.
Uma co-produção USA/ITALIA/FRANÇA com locações em Beverly Hills, California, e USA.
Neste trabalho você representa as mulheres em uma grande galeria de atores participantes neste documentário com depoimentos fantásticos dos protagonistas neste seguimento que atuaram na Europa nesta época em sua trajetória cinematográfica e convidados como; Salvatore Borghese, Mario Caiano, Enzo G. Castellari, Jose Dallesandro, Ottaviano Dell´Acqua, John P. Dulaney, Michael Forest, Claudio Fragasso, Richad Harrison, Leonard Mann, Luc Merenda, Chris Mitchum, Franco Nero, Ted Rusoff, Antonio Sabato, John Saxon, Henry Silva, John Steiner, Aarron Stielstra, Fred Williamson e outros.
É com grande surpresa no Brasil, a notícia de Antonio Sabáto Bem Novack - O dia da Lei (Miguel) - Ódio por Ódio), John Steiner (Dr. Henry Price – Tepepa/Valler - Mannaja), Leonard Mann (Sebastian Carrasco – O Pistoleiro Esquecido/Ciakmull – Ciakmull, o Homem da Vingança) estarem vivos, que contraria muitas especulações sobre suas mortes aqui.
Como você vê a importância dessa iniciativa neste trabalho?

Nicoletta: No início de 2012 eu estava lecionando italiano em Seattle como eu costumo fazer!


27-Está casada atualmente?

Nicoletta: Não, eu não sou casada.

28 - Quantos filhos tem?

Nicoletta: Eu tenho um filho maravilhoso, Nirjo, e um neto de 2 anos, Alesio e sua mãe é Alicia.

29 - Já esteve no Brasil?

Nicoletta: País encantador!
Eu estive no Brasil em 1966 para um filme "Se Tutte le Donne del Mondo" [Operação Paraíso – Brasil].
Um filme de ação dirigido por Henry Levin e Arduino Maiuri com Mike Connors, Dorothy Provine e Raf Vallone e eu tinha uma parte muito pequena, um ou dois dias, mas fiquei muito mais tempo porque a equipe estava filmando algumas cenas em Brasília (ela ainda estava sendo construída) e houve enchentes devido as chuvas.
Então a produção foi temporariamente interrompida. Ficamos hospedados no Rio de Janeiro e tive a oportunidade de ouvir todos aqueles músicos fabulosos, ao vivo! João Gilberto, Elis Regina. Eu dançava samba e bossa-nova e eu podia ser eu mesma e me diverti muito. Eu também visitei as favelas situadas atrás da praia de Copacabana e fiquei chocada, comovida, e curiosa como aquilo poderia existir.

30 - O que pensa do Brasil?

Nicoletta: Eu acredito que Brasil mudou muito desde então para o exterior, mas o espírito do povo; Que sensação maravilhosa: De música e vida, bondade essencial, de generosidade e coragem na frente de adversidades e eu acho que ainda é assim. É muito atraente para  mim. O verdadeiro sal da terra.  
Eu vou estar ai um dia!!

31 - Poderia dizer corretamente onde nasceu, pois existem dúvidas se foi em Firenze (Florença) ou em    Stuffione, Ravarino, Emilia-Romagna – Itália em 01 de Agosto de 1944.

Nicoletta: Nasci em Ravarino Modena, em 8 de setembro 1944. (Portanto a data no IMDB.NET está incorreta).
Isso foi no fim da guerra, minha mãe era uma americana e teve que se esconder dos Fascistas e naquele tempo ainda pertencíamos ao campo. Eu cresci e fui para a escola em Florença.


32 - Como é sua vida hoje e como se sente fazendo o que faz?

Nicoletta: Agitada. Ensino e guia de turismo são quase a mesma coisa, os dois trabalhos são de estar  frente ao público e é divertido.
Az vezes o cenário muda, é claro, mas eu estou fazendo o que sempre fiz, basicamente. Eu amo muito o meu país, mas eu consigo ir lá de vez em quando, e isso é bom. Eu sinto falta das maneiras simples de pessoas com quem me sinto à vontade, e dos alimentos da minha infância.
É ótimo ser um estranho em uma terra estranha, porque você pode reinventar-se, às vezes é um pouco chato, mas alguns dias eu me sinto enraizada.

33 - Você participou do Almería Festival Film Western 2011  como convidada de honra. O que achou?

Nicoletta: Fabuloso! Foi incrível rever muitos rostos conhecidos, e também para conhecer os jovens produtores de Westers.  Os organizadores e sua equipe fizeram tudo o possível para os americanos se sentirem confortáveis e bem  à vontade. A muito tempo eu não me divertia tanto!


34 - Qual a sua expectativa  para o Almería Festival Film 2012 ?

Nicoletta: Eu estava na Itália para um trabalho para uma universidade de Seattle e eu não poderia ir! Eu perdi muito.


35 - Com tudo isso que aconteceu em sua vida, o que você gostaria de dizer aos fãs do Brasil e do mundo que acompanharam sua carreira por tanto tempo e não a abandonaram-na mesmo durante algum tempo no anonimato e estão ansiosos relembrando sua imagem e lendo agora estas suas palavras ?

Nicoletta: INACREDITÁVEL! Espero conhecê-los um dia, um por um,  e obrigado Edelzio, por me contatar e aproximar-me mais dos fãs brasileiros e da América do Sul !
Pretendo um dia voltar a dançar um Samba por ai.


Nota: No IMDB.NET está escrito queLa Fuite en Avant”  foi realizado em 1983, pois está incorreto.
Na verdade, este filme foi filmando em 1976 e acho que foi nesta data em que ele foi lançado.
Em 1983 eu estava nos EUA com meu filho e meu ex-marido, um italiano e éramos pobres demais para viajar, eu estava reiniciando a minha vida depois de muitas viagens. 

- Agradeço em nome de todos os seus fãs esta sua participação especialíssima em meu blog e realmente acho que é o melhor presente para o ano 2013 à todos.
Agradeço pelas fotos exclusivas de seu arquivo pessoal para complementação desta simples Entrevista e Tributo e Mini-Biografia sua e espero que continue participando ativamente com seus comentários e elogios aqui por que será sempre bem-vinda e o mais importante para todos é de sabermos que é feliz.

Grazie!
Edelzio Sanches - Editor

 
Os comentários são pessoais e não refletem a opinião do Editor. 
Colaboração Eespecial – Acervo de Marcos Maurício Lima – BH – MG - Brasil 

Nota: Como pudermos perceber em algumas respostas, existem algumas produções independentes que estão utilizando imagens e antigos comentários de artistas para produzirem documentários sem a respectiva autorização dos mesmos e isso é crime Autoral e é Universal.

70 comentários:

  1. Nicolleta Machiavelli era uma das mas sensuais atrizes do spaguetti Italiano,seu olhar e sua beleza preenchia as cenas dos filme com seus olhos e sobrancelhas bem delineados. um grande abraço a ela, do seu fã Luiz Carvalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A sua beleza, agora interior é ainda mais bela. Super atenciosa e simpática. Trabalha muito viajando pelo mundo e quase não tem tempo de responder E-mails, enfim, percebo que ela é muito feliz e não se sente frustrada por causa do cinema como muitos atores sofreram.
      Longa vida pra Nicoletta.

      Excluir
    2. Valeu Edelzio, você completou muito bem esse meu comentário, uma das grandes virtudes do ser humano é a humildade Cristã, e a Nicoletta é um grande exemplo disso, eu como radicalista, essa imprensa televisiva deve acabar com esse estrelismo com certos atores.

      Luiz Carvalho.

      Excluir
    3. Amigão, estes artistas são de uma época em haviam muitas coisas erradas como sempre vai haver, mas uma coisa que esles prezam por tudo o que passaram na vida é o respeito e ser respeitado.
      Por iss são inesquecíveis mitos de uma geração.

      Excluir
  2. Segundo os orientais,"Quando admiramos alguém em sua total plenitude,é como se parte desta pessoa,fosse uma pequeno archote em nossas almas".Com a Nicoletta Macchiavelli não é diferente.Sua carreira,apesar de breve,foi inesquecível.Sua beleza delicada,encanta sempre e per senpre.além disso,fez o homem mais mais orgulhoso de ser.Obrigado muchacho Edelzio,pela entrevista,e obrigado "bella donna",pelo presente de ano novo a nós cinéfilos brasileiros.Um feliz "2013" para todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E graças a sua ajuda e o material cedido para enriquecer esta postagem, consegui realizar mais um desafio único para um fã.
      Só tenho que agradecer a você também pelo empenho em tentarmos juntos, fazer o melhor para mantê-los iluminados como estrelas.

      Excluir
    2. Muchacho Edelzio, muita gracia por essa entrevista com a Nicoletta Machiavelli, é um bride de final de ano para nós fãs do espaguetti Italiano. falando um pouco sobre o filme navajo joe ou joe, o pistoleiro implacável, um filme muito emocionante. o final do filme quando joe Burt Reynolds fica sentado olhando para o colar usado pela india e apresentando sinais de exaustão cumprindo sua missão de vingança uma cena comovente, um felice ano novo recheado de esperanza são os votos do seu amigão Lulinha!

      Excluir
    3. Amigão seus comentários serão sempre bem vindos neste espaço e desejo a você também um Feliz ano Novo.

      Excluir
  3. Nicoletta Machiavelli via E-mail

    Ciao Edelzio,
    my friend Pietro Cavara, son of deceased Paolo Cavara, the director of "La Cattura", said he saw the interview with me in line.

    " Meu amigo Pietro Cavra, filho do falecido diretor Paolo Cavara (Do Ódio ao Amor - Brasil 1969) disse que leu a entrevista on line e gostou muito"

    ResponderExcluir
  4. *********E-MAIL RECEBIDO DE "DAN VAN HUSEN" EM 01 JANEIRO DE 2013.*********

    I had the pleasure to meet Nicoletta at the Almeria Western Film Festival in 2011, a beautiful women and wonderful actress , a big name in the Spaghetti Western Film scene in the 1960s to 1970s including.
    I never had the chance to work with her on any of her films, so I was surprised and excited to meet her in Almeria about 35 years later.

    It was my highlight of the Festival, thank you.
    Dan Van Husen


    Tradução para Português.
    Eu tive o prazer de conhecer Nicoletta no Western Festival de Cinema Almeria, em 2011, uma mulher bonita e uma atriz maravilhosa, um grande nome no cenário de filmes Spaghetti Western nos anos 1960 a 1970, inclusive.
    Eu nunca tive a chance de trabalhar com ela em qualquer de seus filmes, então eu fiquei muito ancioso para conhecê-la e fiquei surpreso e animado em encontrá-la em Almería, cerca de 35 anos mais tarde.

    Foi o meu destaque do Festival, obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um grande orgulho para nós tê-lo participando e prestigiando esta estrela aqui nesse espaço dedicado a vocês, os nossos ídolos de sempre.
      Você que também e consagrado mundialmente como um dos grandes artistas do cinema Europeu e mundial.
      Obrigado Dan Van Husen

      Excluir
  5. É muito louvável, sempre com originalidade, dedicação e muito trabalho, que a ação deste blog, dedicado ao faroeste Italiano(Spaghetti Western), acessado por uma legião de fãs e saudosistas, do Brasil e também do exterior, em resgatar e até em realizar um “renascimento” de personagens que fizeram parte ativa e constante, desta fase espetacular deste Gênero cinematográfico, repaginado pelos italianos e Espanhóis, que levava verdadeiras multidões ao cinema, de uma personagem marcante em muitos filmes que atuou, contracenando com inúmeros astros da época.

    Uma dessas personagens retiradas do ostracismo por este blog, conduzido pelo Edélzio Sanches, a atriz NICOLETTA MACHIAVELLI, hoje, ex atriz, é uma dessas personagens, que atuou em muitos e conhecidos filmes de sucesso, que apesar de terem passados mais de 40 anos, ainda está muito viva na lembrança de inúmeros admiradores. Talvez fosse, na época, a mais bonita do Oeste e certamente provocou muitos suspiros nos adolescentes e marmanjos e também muitos impropérios das acompanhantes destes.

    O blog do Edélzio, publicação exclusiva e de grande competência para o assunto, SPAGHETTI WESTERN, deu uma grande oportunidade para esta personagem, se manifestar, mostrar para os fãs do gênero, como era aquele momente por ela vivido, o seu pensamento, o seu sentimento, detalhes daquela época de ouro em que viveu, as peculiaridades dos sets de filmagem, a rotina das gravações, dificuldades, os fatos extras, as histórias, os escândalos, como eram os outros astros do seu relacionamento, os vícios, virtudes, problemas, alegrias, as tristezas, as frustrações, etc.

    ResponderExcluir
  6. Continuação:

    MAS, para mim, total frustração. A senhora Nicoletta não trooxe nada de novo.
    O entrevistador(Edélzio), antes de uma pergunta, faz um resumo, uma explanação competentes e recheada de dicas e fatos sobre o assunto de interesse, situava-a no contexto, praticamente não faz perguntas diretas, mas as respostas não têm ligação com a pergunta, vagas, desconexas. Incrivelmente, o entrevistador sabe mais da vida e do trabalho dela, mais do que ela mesmo. Parece até que ela é parente do Lula, não lembra de nada, na sabe, parece que os atores com quem contracenou eram fantasmas, não lembra os nomes deles, nem o que fizeram, o nome dos filmes, o que fez no filmes, etc.
    Acho que fez filmes em outro planeta. Foi ter uma televisão com 37 anos de idade, difícil de acreditar.
    Como alguém fez um filme de sucesso, com um bandido de sucesso(Aldo Sambrell-Navajo Joe) e não nada para relatar?
    Não vê filmes atualmente, nem viu os filmes em que atuou, não guardou fotos, nada, total desleixo para uma profissional. Não fez amizades com ninguém, exceto tratadores de cavalo, eletricistas e falava outros idiomas(francês e inglês), imagina se não falasse.
    Parece ironia, quando responde a esta pergunta:
    19 - Você pensa em deixar uma biografia ou algo deste tipo para os fãs?
    Nicoletta: Por que não?
    Pelas respostas que vinha dando, era mais lógico, responder:Por que sim?
    Arrancar uma biografia desta senhora, nem com saca-rolhas.

    Mais uma vez, vejo um enorme esforço, deste conceituado e estudioso blog, dedicado ao Spaghetti Western e aos seus protagonistas, fazer mais uma entrevista com uma dessas pessoas históricas, que pelas suas atuações são ainda cultuadas e a mesma acrescentar muito pouco ao que já se sabia,
    ( a outra pessoa histórica e também de tamanha beleza e que me frustrou igualmente, foi a SIMONETTA-SIMONE BLONDELL), perdendo as duas uma boa oportunidade para se mostrarem, sairem do anonimato e atribuirem a si,
    ( agora POR QUE NÃO?), a importância de terem contribuído também, para o sucesso de muitos destes filmes.
    Achava na minha mais acanhada análise, que era impossível alguém que está,
    na sua plena capacidade mental, esquecer um ou mais filmes em que participou. Uma atuação no cinema, por menor que seja esta participação, é algo grandioso, inesquecível até para um figurante. Mas estava enganado.
    Sinto muito, dona Nicholetta, mas vou continuar vendo a senhora como realmente era: Apenas uma linda mulher. Acho que a senhora ficou em dívida conosco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se devido a idade e ou pelo abandono da vida artística e a rotina do dia-a-dia em seu trabalho, ela realmente tenha esquecido alguns detalhes ou esteja aborrecida com alguma passagem em sua vida e não desejou revelar, está no direito dela, e também não sei se quando estiver com setenta anos vou me lembrar de ter realizado esta entrevista.
      Mas de qualquer forma, pelo fato dela ter se disponibilizado em abrir algumas portas, acho que tenha sido importante, tendo em vista a enorme dificuldade de conseguir confirmações e participações com outros atores em participar.
      Entedo perfeitamente a sua cobrança e eu também queria mais, mas nem tudo é como a gente quer e isso é que torna tudo mais emocionante, não acha?

      Excluir
    2. Concordo com algunhas coisas do Joailton, e concordo con você tambem Edelzio, ela passou por algum desapotamento. e em alguns trechos de sua entrevista percebemos que ela não foi bem renumerada em um filme do Dino De Laurentiis, e falando que o mundo cinematográfco não dava mas pra ela, uma decisão particular de sua vida! Luiz Carvalho.

      Excluir
    3. Assim como na reportagem sobre a Norma Bengel,l ela também como tantos outros artistas desta época, devem ter passado por maus bocados e muitos não gostam nem de lembrar da carreira, mas enfim, consegui informações que acho que talvez ninguém conseguisse algum dia e ela foi muito carinhosa e prestativa em participar e isso é o que realmente importa.
      Valeu Luiz Carvalho

      Excluir
    4. Seria de bom alvitre, que estes atores e atrizes, que foram vítimas de tramóias no mundo artístico, tornassem público estas vilanias e só assim, ficaríamos sabendo quais os tipos de desonestidades que são particadas pelos empresários, produtores e estúdios, etc. Já sabemos que esses profissionais ficam muito tempo presos ao sistema, por contratos, com cláusulas muitas vezes absurdas, leoninas, que exploram ao máximo estes artistas e por vezes escravizando-os. É prática comum que um artista seja emprestado para outros estúdios para fazer um filme ou filmes, independentemente do artista gostar do papel ou não. Para exemplificar, conta-se que Rod Steiger foi empurrado goela abaixo em Sérgio Leone, para fazer "Quando Explode a Vingança"(1971), por força de contrato, pois Leone tinha outro elenco na sua cabeça e o Steiger "devia" um filme a este estúdio. Sorte de Leone, que este ator era de primeira linha e saiu-se muito bem.

      Excluir
    5. Adoraria que isso acontecesse também, mas acho que o que eles querem mesmo agora é esquecer tudo isso e viverem o resto das suas vidas em paz!
      Valeu!

      Excluir
  7. Emanuel Neto02/01/13 04:02

    Como já foi referido, Nicoletta foi sem dúvida uma das mais belas mulheres dos westerns italianos. Para mim, o seu melhor filme foi "Navajo Joe". Por outro lado, "Giarrettiera Colt" é um filme muito mau, na minha opinião.
    Eis mais uma grande entrevista no blogue do grande Edelzio. Parabéns, amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Emanuel Neto - Portugal

      Obrigado por sua participação nesta entrevista e seu comentário é importante tendo em vista ser outro grande editor de um outro respeitado blog especializado no assunto em Portugal
      Por um punhado de Euros. blogspot.

      Excluir
  8. Só lembrando; O blog não é meu, foi criado por mim mas ele é de todos os fãs e admiradores deste seguimento cinematográfico e que a cada dia torna-se mais apaixonante por todos.
    Seu comentário é digno de um fã e mero conhecedor do assunto também.
    É bom saber que o blog é frequentado por pessoas intelgentes e humildes em suas palavras.
    Tudo isso só faz com que a nossa confraria cresca e viva para sempre.
    Valeu amigo Joailton.
    Sempre será bem vindo por aqui e obrigado!

    ResponderExcluir
  9. Sem dúvida nenhuma, mais uma rara e sensacional entrevista com mais uma grande atriz de sua época como diz o post.
    Em se tratar de uma entrevista feita por um fã e um apaixonado por Western Espaghetti como é o Edelzio,
    e por não ser nenhum jornalista profissional, o que deixaria muitos profissionais por ai incapacitados em conseguir
    um furo destes, certamente poderá causar muita inveja.
    São peças raras como essa em nosso paiz que conseguem romper barreiras, simplesmente com a humildade e a
    paixão em fazê-lo com amor e carinho, sem lucros financeiros e espontâneo.
    É uma merecida homenagem a estes atores e atrizes que fizeram parte da história do cinema mundial sejam eles,
    considerados a quintescencia de um seguimento cinematografico por alguns, mas que até hoje vendem filmes e são cultuados
    pelo mundo, tanto quanto outros atores deste século.
    O simples fato de ver seu rosto na foto junto com o neto "Alesio" ilustrando o cabeçalho do post, já diz por si só, a felicidade
    e humildade com que ela participou deste espaço.
    Parabéns Edelzio e que nos resgate outros (as) personalidades como esta para que possamos relembrar bons momentos
    vividos através deles.

    ResponderExcluir
  10. Primeiro, para se conseguir um furo destes, precisamos conseguir a confiança destas pessoas e isso só se consegue mesmo com humildade.
    Nem todos são tão humildes assim, muitos se acham, ainda mesmo em idade avançada.
    Não é fácil e o meu amigo americano, Tom Betts sabe muito bem disto.

    Analy Sanches é minha filha, Publicitária e Comissária de Bordo Profissional e possui um blog relacionado a leitura (livros).
    http://www.livrosinopse.blogspot.com.br/

    Pretendo em 2013 trazer muitas novidades aos fãs.
    Obrigado pela motivação.

    ResponderExcluir
  11. "Primeiro, para se conseguir um furo destes, precisamos conseguir a confiança destas pessoas e isso só se consegue mesmo com humildade."
    E não precisa dizer mais nada, Edelzio. Adorei a entrevista. E digo que, apesar de algumas respostas vagas e evasivas de Nicoletta, eu posso compreender os motivos dela, pois percebi algo particular e que eu respeito muito, durante as pouquíssimas vezes que falei com ela através de mensagens no facebook. Como você bem disse, é preciso tato, para conseguir a confiança dos nossos ídolos do cinema. Hoje, me sinto afortunado, por ser amigo e contar com a boa fé de Dan Van Husen, Simone Blondell, Jack Betts, Paola Senatore, Sergio Martino, Brett Halsey, Filipo Di Masi, Sir Christopher Lee, que chegou a elogiar um dos meus trabalhos de ilustração e meus queridos amigos maiores, Robert Woods e Franco Nero, que está voltando às telas em vários filmes além de Django Unchained. Pois é, além da barreira da cultura diferenciada e do idioma, temos que nos adaptar à realidade dessas estrelas, que para mim, nunca se apagarão, enquanto existir um registro de sua marca na sétima arte. E tudo que eu dei a eles e recebi, simuntâneamente, veio revestido do contexto simples da humildade, coisa que TODOS eles têm, dependendo da maneira como nos aproximamos de cada um. Depois, é possível conversar inclusive, sobre nossos diferentes cotidianos e trocar experiências. Pode crer, eu consigo. E para encerrar, devo dizer que me sinto muito em casa aqui, no teu blog, por que como você mesmo frisou, a casa é de todos. Obrigado mais uma vez por manter a casa sempre bem atendida por estrelas como Nicoletta e afins. Estamos na mesma cavalgada, meu amigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado irmaozão.
      Realmente tenho acompnhado suas conversas com eles via Facebook e a verdade é recíprocla.
      Como disse na postagem, foi um ano de diálogos até ser concretizada, portanto temos que caminhar lentamente
      para conquistar os espaços desejados
      Valeu amigão..

      Excluir
  12. **********E-MAIL RECEBIDO DE ALEX CORD EM 04 DE JANEIRO 2013*******************

    I see Nicoletta every day in my study where hangs a poster of "A Minute to Pray A Second to Die." [Un minuto per pregare, un´instante per Morire - 1967] She is a drop-dead, gorgeous woman whom I remember with great fondness and regret that we never had a love affair.

    Alex Cord

    Eu vejo Nicoletta todos os dias em meu estudo onde está pendurado um cartaz de "Um Minuto para Rezar, um Instante para Morrer/ Caçada ao Pistoleiro" [títulos no Brasil]. " Ela é morta neste filme, uma mulher linda, que recordo com grande carinho apesar de que nós nunca tivsessemos um caso de amor.

    Alex Cord

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É simplesmente fantástica a participação deste ator que trabalhou com ela no filme "Caçada ao Pistoleiro" como menciona em seu E-mail e nós brasileiros estamos muito felizes em saber que está acompanhando o trabalho aqui neste espaço dedicado a eles.
      Muito obrigado Alex Cord,
      grande pistoleiro McCord.
      Também sempre será lembrado.

      Excluir
    2. Site oficial de Alex Cord

      http://www.AlexCord.net

      Excluir

    3. Alha aí as coisa acontecendo. Conheço umas pessoas que não são muito fãs de filmes de faroeste e conhece este blog.
      Uma delas me relatou que abre para ficar curtindo as músicas.
      Não é à toa que um ALEX CORD(por coincidência revi CAÇADA AO PISTOLEIRO ESCONDIDO,
      há três semanas atrás)acessa esta publicação, aqui encontramos dedicação, seriedade, fidelidade e liberdade.
      Continue com os mesmos objetivos, que estarei, sempre que puder, por aqui.
      Você sabe se é verdade que este filme, em questão, teve dois finais diferentes, como o SILÊNCIO DA MORTE, do Sérgio Corbucci?
      Aproveite esta oportunidade e consiga uma entrevista com o Sr. CORD, não sei de outro spaghetti em que o Alex Cord atuou, mas este referido acima, especialmente estava “recheado” de atores com presença constante e marcante, numa imensa lista destes filmes com variados diretores, enquanto predominou este Gênero e que pouco sabemos deles.
      A história do SPAGHETTI WESTERN, ainda tem uma grande página em branco e infelizmente temos poucas testemunhas vivas e capazes de preenchê-la e logo, pois o gatilho do tempo não enferruja e nem faz CLICK, sempre dispara e o pior, acerta sempre, também.

      Abraço-Joailton-Caruaru-Pe-Brasil

      Excluir
    4. Estes atores ainda vivos após 40 anos estarem nas telas dos cinemas pelo mundo, estão resurgindo e compartilhando com os fãs, os verdadeiros frutos dos tempos de glamour, que é a simples e humilde aizade e respeito.
      Todos eles são como pedras preciosas garimpadas através do tempo e sempre que puder continuarei minha busca por eles.
      é o propósito deste trabalho.
      Valeu amigão.

      Excluir
  13. Es una mujer bellísima, tanto que si fuera hombre ¡me enamoraba ahora mismo!

    Una excelente entrevista. Nicoletta ha trabajado con grandes actores, algunos de ellos mis favoritos, ¡Giuliano Gemma ("L'amante dell'Orsa Maggiore"), Gian Maria Volontè, Alberto Sordi!

    Bonitas las palabras para Aldo Sambrell y para las tierras españolas. Es de agradecer.

    Y una última cosa, que me ha gustado mucho, es que es profesora de Lengua Italiana (yo también soy profesora, de Lengua Española, me ha llamado la atención).

    Me alegro de que sea feliz. Ha luchado mucho por estar donde está. Brava, Nicoletta.

    Gracias, Edelzio por ayudarnos a conocer mejor a esta actriz. Y sobre todo, parabéns por la entrevista.

    ResponderExcluir
  14. Fico feliz em ter uma representante da Espanha aqui nesta postagem como Tributo
    à Nicotella Machiavelli e apreciamos muito suas palavras em seu breve e plauzível
    comentário sobre estes artistas.
    Obrigado à Belane do blog Espanhol:

    http://epertettouncielodistelle.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Assim como o Joailton também percebi muitas evasivas nas respostas dessa que foi realmente uma das mais belas atrizes italianas. Eu esperava que ela revelasse mais fatos ocorridos nas filmagens, detalhes das produções,a personalidade dos diretores que a dirigiram,a importância dos filmes em que participou, principalmente no gênero spaghetti e a sua contribuição para o cinema atual. O importante é que o blog está cada vez mais cumprindo o seu papel de trazer mais informações daquele perído apaixonante e inesquecível para os fãs,sequiosos. Para mim suas melhores atuações foram em "Navajo Joe" e em "Um fiume de dollari". Grazie, bellissima donna del cinema del mondo. Grazie Nicoletta, per sempre bela nel cuori di tutti noi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigão Aprígio, como citei em um comentário anterior; Existem coisas na vida da gente que não seria ético revelar, então por isso respeitamos suas respostas às questões feitas, e ela fez isso com muita classe.
      O importante é que o blog está cumprindo o seu papel como você disse e 2013 promete muito mais.

      Excluir
  16. Que grata surpresa encontrar com a Nicoletta! Edelzio é um garimpador admirável e só podemos agradecer pelo trabalho que desenvolve neste espaço.

    Naturalmente, todos queríamos um pouco mais, porém, pelo menos pra mim, o fato de saber que a bela atriz está hoje em condições melhores de avaliar sua carreira cinematográfica, com o pé no chão, sem estrelismos bobos e com boa saúde (só acho que não deveria estar de cabelos claros; amo-os negros) são motivo de satisfação para os amantes do western, especialmente o europeu.

    Pelo que temos visto nos caminhos da internet, já deu para perceber que muitos artistas que participaram desses filmes lutam para ter orgulho de os ter feito; e com Nicoletta não é diferente. Saiba, querida Nicoletta , se ler isso, que você é a "Dama do Western Europeu". A sua legião de fãs é grande. Adoro vê-la na tela, mesmo sabendo que o nível de consciência de sua arte naquele momento talvez não fosse o ideal. Nem sempre o que fazemos de melhor é o que mais tencionamos fazer. Apesar dos detratores, o western europeu tem lá suas virtudes e você é uma delas. Minha admiração, inclusive pela firmeza e pela sinceridade que se nota nas respostas.
    Ao Edelzio, meus parabéns pela bela postagem e o desejo de um belíssimo 2013, com muita coisa legal no blog, profissionalmente e em família!

    Abraço!

    Vinícius Lemarc

    ResponderExcluir
  17. Amigo Lemarc, agradeço suas palavras assim como as de todos que estão enviando suas mensagens e comentários a ela e ao "nosso blog", e com certeza ela estará recebendo esta mensagem também.
    Lembrando que o fantástico blog do Lemarc é recheado com muita curiosidade e filosofia.

    http://sarrabulhadacult.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Acho também que a atriz italiana teve seus motivos para não se aprofundar muito nas respostas, especialmente quando se tratava de fazer valorações sobre os profissionais que dividiram espaço com ela-talvez tenha se excedido até demais em sua ética.Faço coro às excelentes palavras de Lemarc quando diz que os artistas que atuaram no gênero spaghetti "lutam para ter orgulho de os ter feito. Devem ter orgulho mesmo, porque daquele filão-não obstante os resultados muitas vezes modesto, ou precário mesmo- surgiram grandes e memoráveis filmes e artistas que fascinaram e inspiraram, para além de Hollywood.Foram poetas, visionários,grandiloquentes,estilistas apaixonados e obcecados pela arte, que muitas vezes fizeram a arte pela arte como Leone , Corbucci e outros mais.Tinham consciência que descenderia da sua visão enlouquecida uma geração de loucos como nós.

    aprigiohistoria@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fantástica esta última frase sua.
      Parece mesmo que tinham uma visão de que no futuro seus trabalhos teriam mais sucesso fazendo-nos pensar que estavam além de seu tempo.
      Não foram tão reconhecidos em sua época por uma questão de protecionismo ao que já existia.

      Excluir
    2. Edelzio, gostei muito desse comentário do Aprigio. nesta época eu tinha meus um e cinco anos de idade, e não imaginava o que estava sendo registrado pra nossa geração de hoje, fãs aficionados. não só os filmes as musicas tambem. continuando um pouco sobre a entrevista da Nicoletta Machiavelli, é que, o importante que ela foi atenciosa com as perguntas, e pediu desculpas em não lembrar de algo, e a virtude dela em fazer amizade com tratadores de cavalos e eletricista é prova de sua grande humildade.

      Luiz Carvalho.

      Excluir
    3. Se interpretarmos as respostas com mais sensibilidade, você sentirá a simplicidade e humildade.
      Ela fala ter vindo de família de camponeses, sofreu com a Guerra e diz também que era só mais um simples rostinho lindo nas telas.
      É legal sentir que ela é feliz hoje, viajando o mundo com o seu trabalho e acho que é isso o que mais interessa a ela hoje, alem do seu neto.
      Grande Dama.
      Obrigado por sua observação Lulinha.

      Excluir
  19. Então que viva essa loucura. Viva, viva,viva como já dizia um conterrâneo meu.Amigo Edelzio "Sabata" Sanches a coisa é muito simples:os filmes de Leone, Corbucci e de mais outros isoladamente, já que alguns se destacaram apenas com um grande exemplar,não estavam no tempo certo,estavam perdidos na escuridão de uma certa ignorância. Estavam adiante, por isso não foram compreendidos,além de sofrerem um processo de ostracismo imposto covardemente por uma certa ideologia para proteger uma certa tradição. Eu já disse em conversa que Leone s antecipou no tempo. Ele fez um exercício de abstração se colocando imaginativamente à frente, procurando entender como teria que ser a linguagem do cinema, considerando tudo que já havia sido feito.Fez seus westerns como se já estivesse no séc XXI. Driblou todo mundo- e nisso, convém lembrar sempre, foi auxiliado por outros que o seguiram de perto- e se colocou á frente, num ataque demolidor aos convencionismos e paradigmas de tudo. Muitos contemporâneos e muitos que estão aí hoje, exaltados como mestres, não foram e nem são dignos sequer de desatar as correias de suas sandálias. Já coloquei alguns de seus filmes para conhecidos e até estranhos, de certa forma neutros, assistirem e pensaram que eram recentes, da década de 80 para cá.Ficaram simplesmente boquiabertos. Exiba seus filmes sem revelar a sua nacionalidade numa sala para pessoas neutras, de idades diferentes, sem nenhuma vinculação ideológica, coloque essas mesmas pessoas depois para assistir filmes atuais-só depois então você deverá revelar a nacionalidade.Depois me diga os resultados. Voltando novamente para o assunto da entrevista, quem será o próximo ator ou atriz? Giuliano Gemma ou Franco nero ou até Claudia Cardinale, seria uma boa idéia, não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em nosso tempo, só vejo Tarantino reconhecer merecidamente a evolução que Leone e Morricone trouxeram ao Western.
      Ele está provando isso recriando um Django que fez parte de sua infância.
      É uma pura homenagem ao Espaghetti que ele está tendo a coragem de fazer em pleno século XXI.
      Foi muito inteligente em escolher um Django Negro, o qual terá motivo bastante para liquidar muita gente no filme, mas não só pelo amor de uma mulher mas pela defesa da liberdade e contra o racismo, tema vivenciado sempre na humanidade.
      Tenho uma entrevista pronta com Celso Faria e falta tempo de concluí-la.
      Pode aguardar, essa é boa.

      Excluir
  20. Edelzio!!!
    Cara, eu estou apaixonada por esta entrevista. Que delícia de leitura! Eu não conhecia esta atriz e estou super curiosa para ver os filmes. Tem algum que seja um marco na carreira dela que vc me aconselhe ver primeiro?
    Um abraço
    Dani

    ResponderExcluir
  21. amiga Daniele, primeiramente gostaria de salientar que é muito gratificante ter você participando deste nosso espaço. É mais uma participação feminina que raramente aparece no espaço em que a predominância e de cowboys e isso vem demonstrar que os filmes, as músicas, atores, atrizes, enfim são apreciados por todos independente de sexo.
    Os filmes que indicaria pra começar seriam "Navajo Joe" e também "Giarriteria Colt" [A Pisoleira Virgem] ambos facilmente encontrados disponíveis para download na Internetem.
    Assista ao Clip com link no rodapé do post.
    "Sangue nas Montanhas" também é um grande filme.
    "Caçada ao Pistoleiro" é um filme em que ela morre w que é lembrada pelo ator principal Alex Cord em que ele à cita em seu comentário logo acima - veja!
    Abração

    ResponderExcluir
  22. Edelzio,estou encantado com os comentários,inclusive o do Sr.Alexander Viespi(Alex Cord).O primeiro filme que assisti com ele foi:"A Última Diligência"(Stagecoach/1966),com Ann-Margret e Bing Crosby.Foi a 2ª versão (colorida)de:"No Tempo das Diligências".Era exibido nas "Tarde Bang-Bang" na extinta TV Tupi.Lembra-se?.Em maio o "pistoleiro" irá completar 80 anos,seria bem vindo uma entrevista com ele na sua Galeria do Western Spaghetti.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitos destes atores e atrizes ainda estão por ai e valorizando o nosso trabalho que é feito simplemente para a preservação de seus nomes e suas carreiras.
      Quanto uma entrevista com ele não é impossível, ele demonstroa ser bem simpático e atencsioso também.

      Excluir
  23. Lendo tantos comentarios acima, apesar de algumas controvérsias, me deu contentamento, notar que a entrevista do amigo Edelzio,trouze a baila para muitos, um dos tantos nomes que hoje são desconhecidos do grande publico e que para nós que vivemos a época dos spaghetti-westerns foram marcantes. Assim como já havia acontecido com Simone Blondel... Belissíma, Nicoleta!
    Belo trabalho Edélzio.Continuaremos sempre te acompanhando e esperando por novas surpresas.

    ResponderExcluir
  24. Grande comentário com a participação de meu amigo e parceiro Paulo que tem um dos grandes blogs de pesquisa também sobre o Espaghetti Western no Brasil.
    Um abordagem não muito diferente do meu mas com o mesmo objetivo:
    Suprir os fãs de informções desconhecidas e ainda inéditas quanto a produção dos filmes e resgatar os títulos originais dos filmes editados no Brasil através de recortes de anúncio de jornais, cinema e midia brasileira.
    Um verdadeiro documento histórico que para muitos viraram peças de coleção.
    Não deixa de ser também um tributo aos seus protagonistas.
    Façam uma visita e conheçam o trabalho deste blog:
    http://eurowesternnobrasil.blogspot.com.br/

    Obrigado Paulo.

    ResponderExcluir
  25. Este eu já conheço Edelzio. Realmente um excelente blog que faz um trabalho relevante de pesquisa no âmbito dos spaghetti. Já fiz alguns comentários lá.

    ResponderExcluir
  26. Grande parceiro e uma verdadeira enciclopédia de conhecimento dos títulos exibidos no Brasil.
    As vezes surgem perguntas por exemplo: Como era o nome daquele filme em que o mocinho, etc, etc...
    E o Paulo vai no seu arquivo ou lembra de cabeça o título.
    É genial.

    ResponderExcluir
  27. Não posso deixar de confirmar a importância do Sr Peal, com o seu blog do http://eurowesternnobrasil.blogspot.com.br, pois é lá que tiro minhas dúvidas e aumento o meu conhecimento neste assunto, sem contar que o mesmo é bastante
    prestativo, respondeu aos emails por mim enviados. Obrigado Peal.
    Joailton-Caruaru-Pe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também costumo tirar algumas dúvidas com ele.
      Verdadeira Enciclopéida no assunto e já falei isso pra ele.

      Excluir
  28. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  29. ********E-MAIL RECEBIDO DO ATOR ALBERTO DELL'ACQUA EM 26 DE JANEIRO DE 2013******

    Molto interessante e grand homenagem. Grazie Edelzio! Un grande abbraccio d'amicizia .!
    Dirò che si desidera qeu molto bene ok?
    La piu bella e grande Atrice, Nicolleta.
    Edelzio! per me è un piacere conversare con te.
    Ciao alla proxima.

    Alberto Dell'acqua

    ResponderExcluir
  30. Fiquei muito feliz em ter sua participação aqui neste espaço principalmente sabendo que você esteve presente em um dos filmes de Nicoletta Machiavelli "A Minute to Pray A Second to Die." [Un minuto per pregare, un´instante per Morire - 1967], {Caça ao Pistoleiro - Brasil} junto com outro ator que também prestou aqui sua homenagem a ela "Alex Cord" também esteve no mesmo filme.
    É fantástico, ter 3 protagonistas de um mesmo filme juntos, participando em uma esntrevista destas.
    Tivemos também a participação de Dan Van Husen e Pietro Carava, filho do diretor Paolo Cavara prestigiando a entrevista.
    Obrigado a todos que prestigiaram este momento.

    Edelzio Sanches
    Redator e Editor

    ResponderExcluir
  31. Gostei muito da entrevista e gostai de saber que a Nicoletta gostou do meu vídeo do youtube, Obrigado e bom trabalho.

    ResponderExcluir
  32. Meu amigo Edelzio,eu nunca vou esquecer o Alberto Del'Acqua no derradeiro "Texas Addio",ao lado de Franco Nero e Elisa Montez.É o filme deles que mais gostei. Assisti no Cine Santo Antônio,em Passa Tempo nos anos 70,a imagens deles,como a trilha sonora,ficará para sempre em minha alma.Vê se consegue uma entrevista com ele,pois tenho algumas imagens dele.

    ResponderExcluir
  33. Você deve saber que Alberto Dell´Acqua ele vem de uma família tradicional de circenses italianos e até hoje seus filhos, netos e familiares trabalham em circos pelo mundo como tenho acompanhado no facebook dele, e ele não gosta muito de falar no passado, mas em uma prévia conversa ele até manifestou um contentamento em reponder algumas perguntas no futuro.
    Vou devagar.

    ResponderExcluir
  34. Edelzio, parabéns pela excelente entrevista realizada com a encantadora diva dos nossos bang bangs, Nicoletta.

    ResponderExcluir
  35. Tenho vários projetos nesse seguimento mas infelizmente o tempo é pouco, pois também tenho um trabalho musical que não pode parar, vide Facebook: Edelzio Sanches
    Grato pelo elogio.
    Procure participar mais com seus comentários, que é importante para a evolução deste espaço.

    ResponderExcluir
  36. Agradeço mais uma vez por todos os comentários e participações nesta postagem a qual é uma das mais visitadas em todos os continentes inclusive nos Emirados Árabes onde esta atriz tem um grande fã clube e era ainda desconhecido.

    ResponderExcluir
  37. Respostas
    1. Obrigado MultiElton.
      Acho que percebeu que ficaram ainda algumas lacunas, mas acho que ela tem todo o direito de revelar o que quiser espontaneamente assim como todos os artistas, então temos que respeitar o que ela acha que é melhor pra ela.

      Excluir
  38. Edelzio
    Tudo certo?

    Cheguei atrasado, mas cheguei! Vou me apresentar formalmente: meu nome é Antonio e estudo a memória através da imagem e texto da mídia moderna. Por isso, cinema, fotonovelas e revistas em geral são meus instrumentos e razão de trabalho.
    Eu já tinha visto em páginas virtuais referências ao seu Blog, mas devido a onda do facebook, eu não tinha mais voltado a pesquisar com frequência em outros formatos de rede social. O que foi um erro, porque Blogs são as redes que mais permitem, em termos de espaço, uma maior quantidade de informações escritas.
    Bom, mas o que me leva a escrever pra você, com atraso de anos, é uma reportagem que você realizou com uma das estrelas do western spaghetti, com data mais precisamente de 27 de dezembro de 2012! Mas, mesmo atrasado, isso não vai fazer diferença, porque mesmo que eu tivesse levado mais tempo pra descobrir a entrevista com a estrela, o impacto seria o mesmo!
    Eu vi, num dos grupos de facebook de que faço parte, "Cine Western", uma foto da estrela que é a razão de eu estar aqui. Pedi informações sobre ela, e SANDRA BRITO PAIVA, além de me responder, ainda reproduziu a reportagem do seu blog, que é de lascar, caraca!!!
    Só pra irmos de acordo com o tempo de bola que estamos vivendo, foi um golaço de bicicleta que você marcou, Edelzio! Pra mim, caras como você merecem todo o respeito do mundo! Por não medir distâncias e nem se deixar levar pelas dificuldades por querer perpetuar e divulgar a memória de formas estéticas que contam e registram a expressão e o pensamento coletivo da humanidadeatravés de alguma forma de representação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente as páginas das redes sociais não são tão eficazes em preservação de informações e por isso não linkei com nenhuma delas. As informações se perdem na linha do tempo e aqui é só procurar no índice alfabético pra encontrar o assunto ou ao ator, etc.
      Comentários e valorizações como esta em que você faz elogiando o blog só faz com que eu continue este trabalho sério e com mais empenho ainda pra justamente satisfazer o prazer de conhecer cada vez mais este seguimento que tanto nos fascina.
      Muit obrigado José Antonio Alcântara Fonseca

      Excluir
  39. (continuando) Mas o assunto que me traz a tua página tem nome de mulher e mais do que merece eu escrever: NICOLETTA MACHIAVELLI! Eis a razão, mais do que justificada pra eu eu escrever pra você, mesmo atrasado. rapaz, que Beleza!
    Vê, eu nunca tive artistas de cinema como ídolos. O que me atrai pra o cinema são o tema do filme ou o diretor. Os atores, eram e são poucos,os que eu sigo. e porque eu os tenho em conta de fato bons atores. Também o excesso de alguns também é algo que não dá pra engolir. Em razão do meu trabalho, eu leio muito sobre artistas, principalmente biografias. De Jane Fonda a Mastroianni; de Shirley Mac Laine a Brando; passando por Vivian Leigh, Sophia Loren, Ingrid Bergman, Claudia Cardinale, Katherine Hepburn, Audrey hepburn e indo até Meryl Streep. Dos brasileiros que fizeram cinema com mais constância ou pelos bons títulos, Dina Sfat, Paulo José, Eva Wilma, John Herbert, David Cardoso. Alguns deles chamam a atenção pela simplicidade. Mas a maioria tem um ego do tamanho do Everest!
    E isso, mais a reportagem que você realizou, foi que me dei conta de determinadas lacunas em relação ao gênero western spaghetti. Uma delas, era que os seus atores não tinham a promoção que os seus colegas do western americano ou atores de cinema em geral, tinham. Mas, penso eu que pelo fato de pertencerem a um gênero subestimado, os atores do western spaghetti eram ilustres framosos desconhecidos! Ao contrário dos atores americanos do western, que mesmo que tenham começado no gênero no spaghetti (Eastwood), tinham uma overdose de promoção! Vou exemplificar: em minhas pesquisas, eu consegui, emprestadas, muitos exemplares de revistas antigas, entre as quais "Manchete". E não é que numa delas, acho que do ano de 68, tinha uma reportagem com a brasileira Esmeralda Barros, fotografada num cenário de western spaghetti e a matéria afirma que ela já tinha feito algumas fitas de bang bang e de aventuras na Itália!! Quando é que eu sabia que Esmeralda Barros trabalhou em western spaghetti, rapaz?!? Foi por acaso que eu soube de Esmeralda Barros. Dos ícones do gênero, Gemma, Sancho, Hilton, Garko, Woods, Stteffan, eu não encontrei rigorosamente nada!

    ResponderExcluir
  40. (continuando) Edelzio, voltando a sua entrevistada. Eu a conheço das fotonovelas italianas. No cinema, eu a vi poucas vezes. No entanto, LA MACHIAVELLI, com o seu rosto forte e bonito, e sua presença em cena, sempre me chamou a atenção. Mas atá a sua entrevista, eu nunca tinha sabido nada sobre MISS MACHIAVELLI. A sua lembrança estava associada às suas interpretações no romance fotografado e ainda assim, foram poucos os que eu li protagonizados por ela. Mas, hoje, me impressiona a transformação que NICOLETTA MACHIAVELLI operava na transição de um veículo para outro. A fotonovela exige da atriz interiorizar a mocinha meiga, frágil, romântica, doce e dependente do homem, quase assexuada; a mulher do FAR WEST era o contrário, mesmo quando fazia a mocinha: era a sexualidade explosiva usada como arma, e elas podiam ser tão violentas e traiçõeiras quanto os homens...! E quando eu vejo uma atriz interpretando a mocinha sofrida das fotonovelas e no western se transformar num perigo em forma de mulher, eu fico me perguntando: como ela consegue?
    Mas nunca soube nada delas. Até você, eu não tinha conseguido ler uma entrevista com nenhuma delas. Seguinte: o trabalho que desenvolvo me levou a rever antigos westerns e pepluns, procurando as suas estrelas que também estavam nas fotonovelas, como George Hilton, Kirk Morris, Peter lee Lawrence ( na fotonovela, Pierre Clement), Laura Antonelli, Guiliano Gemma, Gianni Garko, Glenn Saxon ( na fotonovela, Rol Bos), Erika Blanck, Evelyn Stewart, Fabio Testi e outros. E uma semelhança os unia: para o público brasileiro, tanto como atores de cinema, quanto de fotonovelas, eles eram muito pouco ou quase nada promovidos pela imprensa. Eu só vim saber da maioria deles com o advento da Internet. Os vi em dezenas de épicos e aventuras à bolonhesa e western spaghetti, mas da maioria, nem sequer os nomes de alguns eu sabia.
    Por isso, fiquei justificadamente espantado com a entrevista que você realizou com NICOLETTA MACHIAVELLI!

    ResponderExcluir
  41. (continuando) Primeiro, pelo fato de estar vendo e lendo uma atriz que ficou em minhas memórias em razão da fotonovela; e em segundo, pela entrevista em si. Edelzio, artistas, em geral, e os de cinema, em particular, procuram muito se auto-mistificarem frente ao público. Repito: são de ego monumental! Mas, fora a fantasia que provocam. principalmente, elas, as atrizes, dificilmente aparecem como de fato são, e sim como os cinema os moldam.
    Dai eu ter ficado bestificado com a sua entrevista com LA MACHIAVELLI!
    Até onde eu me lembro, eu nunca tinha visto ou lido tanta sinceridade, simplicidade e honestidade, extremas, a bem da verdade, numa atriz de qualquer espaço de interpretação! E muita ética também. tanto em relação aos coplegas quanto ao que viveu no ambiente de trabalho, NICOLETTA MACHIAVELLI não mistifica nada nem ninguém. Mas também quando precisou dar nomes aos bois, não hesitou. Não posou de estrela, antes pelo contrário. Não houve frescura nem ego inflado. Eu fiquei impressiopnado, palavra! E só op fato de ter permitido a divulgação de suas fotos na idade em que se encontra e sem maquilagem, é algo que não se espera de uma atriz! E aprendi muito com as respostas que ela te deu.
    Descoloriu e desglamurizou o cinema pra mim. sem mostrar revolta ou ffrustração. Nem de dar uma de injustiçada ou excluída. Não deu uma de diferente pelo fato de num dia ter sido atriz de cinema. Ao mesmo tempo, reconhece a sorte que teve, inclusive de escolher deixá-lo.
    Tudo nas respostas de NICOLETTA MACHIAVELLI às suas perguntas tem consistência e verdade. Sua autoanálise não é a expressão do seu ego, mas o juízo de alguém que viveu no meio e conhece muito bem as regras ditadas. Sobretudo, deixa claro que no cinema, um rosto bonito vale mais do que talento genuíno, pelo menos até uma certa idade...
    MISS MACHIAVELLI reconhece os seus colegas num plano profissional, onde mante a honestidade em julgá-los. E ao falar do seu meio, MISS MACHIAVELLI elucida que a fantasia do público e o que chega até ele, nem sempre corresponde ao que de fato é. Como por exemplo, quando você lhe pergunta sobre ciúmes entre atrizes. Todas, não, mas atrizes sempre me passam a impressão de que são tudo, menos companheiras umas das outras. Num ambiente que deve ser carregado de competição, narcisismo exacerbado, inveja e disputa por espaço, as relações não devem ser brincadeira!E principalmente entre as mulheres. Dizem que mulher olha pra outra sorrindo, mas com uma fca entre os dentes...Pensa só quando são atrizes, disputando papéis, salários, prestígio, sucesso, como será que as coisas são?
    NICOLETTA MACHIAVELLI desmancha qualquer fantasia de bacia de sangue que eu fazia do ambiente de trabalho do western, do relacionamento entre as atrizes. LA MACHIAVELLI desmancha qualquer idéia de fofocaiada entre meninas! Com muita lucidez, chama a atenção para um fato: o de que o western era um ambiente machista e que as mulheres que trabalhavam nele precisavam ajudar-se e protegerem-se mutuamente, em meio a tantos prredadores, os homens!

    ResponderExcluir
  42. (continuando) Esta lucidez extrema de LA MACHIAVELLI e a sua leitura sobre o western foi quem me permitiu ver o outro lado do gênero. De fato, o espectador mergulha fundo no universo macho do bang bang e aquela testosterona toda é vista com naturalidade! Inclusive, a forma como a mulher é vista e tratada...
    NICOLETTA MACHIAVELLI me abriu os olhos pra isso: e não é que na maioria das vezes, as atrizes do western não tinham muito texto pra decorar?!? Como foi que eu não percebi isso antes??? Invariavelmente, os papéis delas eram de mocinha, mariposas ou de alvo da covardia masculina...
    Caramba, SIGNORINA MACHIAVELLI, isso é que é perceber onde pisa!
    Entre outras coisas, duas passagens na fala de NICOLETTA MACHIAVELLI me chamaram especialmente a atenção: a frase "...o mundo do cinema não é pra mim" e quando cita, nominalmente, dino Di Laurrentiis. Em relação à primeira frase, quantas pessoas não venderiam a mãe pra terem uma chance no cinema? Quantas pessoas não fariam qualquer coisa pra ingressarem neste mundo? No entanto, NICOLETTA MACHIAVELLI tinha todas as condições de continuar trabalhando no cinema durante um bom tempo....Personalidade é isso ai.
    A última vez que vi NICOLETTA MACHIAVELLI em um filme, foi nos anos 80, numa rápida participação numa produção francesa, "O Importante É Amar". Não lembro a direção, mas o elenco tem Rommy Schneider, Fabio Testi e Jacques Dutronc.
    Vou terminando e a gradecendo a você Edelzio e a NICOLETTA MACHIAVELLI pela entrevista. Valeu! E como valeu!
    E se me permite o atrevimente: eu posso sugerir dois entrevistados? George Hilton e Kirk Morris. E indo mais longe ainda, eu sugiro uma pergunta pros dois: qual é a diferença maior na interpretação na fotonovela e no cinema?
    Pela entrevista e pelo espaço, Muito Obrigado!
    Até Breve! Antonio

    ResponderExcluir
  43. Caro amigo Antonio Alcântara, fiquei super emocionado em ler as suas explanações sobre esta entrevista e gostaria que me postasse o seu e-mail para eu fazer um linke entre você e ela e tenho certeza que ela o atenderá como fá assíduo dela que você é. Seu e-mail não será divulgado ok?
    Abração, guardei as sugestões.

    ResponderExcluir

Crítica, Opinião e Sugestão - Escreva Aqui: