Portal dedicado ao Espaghetti Western

Letras-Lyrics-Song-Sung-Espaghetti Western-História-Músicas-Entrevistas-Curiosidades-Pesquisa-Opinião-Atores Brasileiros no Espaghetti Western-Atualidades-Homenagens-Resenhas-Sinópses-Subtitles-Legendas-Filmes.

20 novembro 2010

Por um Punhado de Dólares


“Per um Pugno di Dollari”
“A Fistful of Dollars - USA”

Produção: Itália – Espanha – Alemanha – 1964
Direção: Sergio Leone (Bob Robertson)
Música: Ennio Morricone (Dan Savio)
Duração: 100 min.
Fotografia: Massimo Dallamano e Frederico G. Larraya
História: A. Bonzzoni – Victor Andrés Catena – Sergio Leone com participação
De Fernando Di Leo – Clnt Eastwood – Duccio Tessari e Tonino Valerri
Produção Harry Colombo e George Papi
Jolly Film (Roma) – Constantin Film (Munich) – Ocean Film (Madrid)
Distribuição em VHS foi feita pela Reserva Especial
Locações: Almería – Andalucía EspanhaClint Eastwood – Joe
Marianne Koch – Marisol
Gian Maria Volonté (Johnny Wels) – Ramon Rojo
Wolfgang Lukschy – John Baxter
Sieghardt Rupp – Esteban Rojo
Joseph Egger - Piripero
Antonio Prieto – Don Miguel Benito Rojo
José Calvo - Silvanito
Margarita Lozano – Consuelo Baxter
Dainel Martin - Julián
Benito Stefanelli (Benny Reeves) - Rubio
Mario Brega (Richard Stuyvesant) - Chico
Bruno Carotenuto (Carol Brown) – Antonio Baxter
Aldo Sambrell (Aldo Sambreli) – membro gang de Rojo
Raf Baldassarre – Juan De Dios
Luis Barboo – Pistoleiro de Baxter
Frank Braña – Gang de Baxter
José Canalejas - Membro da gang de Rojo
Juan Cortés –Capitão da Cavalaria
Nino Del Arco - Jesus
Jose Halufi – Membro da gang de Rojo
Joe Kamel - Membro da gang de Baxter
Anotnio Molino Rojo – Membro da gang de Baxter
Antonio Moreno – Juan de Dios
Nazzareno Natale – Membro da Gang de Rojo
Julio Pérez Tabernero – Pistoleiro de Baxter
Nosher Powell - Cowboy
José Riesgo - Capitão da Cavalaria Mexicana
Lorenzo Robledo – Pistoleiro de Baxter
Fernando Sánchez Polack – Membro da Gang de Rojo
Umberto Spadaro – Miguel - Pistoleiro de Rojo
William R. Thompkins – Membro da Gang de Baxter
Harry Dean Stanton, Antonio Vico, Frank Kalvow, José Orjas, Manuel PeñaUm pistoleiro solitário e misterioso chamado Joe (Eastwood) recém chegado a San Miguel, uma cidade muito Rude localizada na fronteira, onde dois grupos de contrabandistas aterrorizam os cidadãos pobres. Rápido no gatilho com seu Colt 45, mostrando o seu valor, (não mexam com a minha mula) o estranho recebe ofertas de emprego das duas gangues. Porém sua lealdade não pode ser comprada, mas ele aceita os dois empregos. Ele desenvolve um plano para destruir as duas gangues, desmascarando os criminosos com um inteligente jogo duplo de confrontações mortais entre eles. Com uma quantidade de tiros incrível, interpretações dinâmicas e uma atmosfera cinematográfica jamais vista em um filme deste gênero. Este foi o filme preferido do mestre Sergio Leone que se inspirou em “Yojimbo, O desafio do Samurai” (La sfida del Samurai) de 1961 de Akira Kurosawa. Foi o filme que consagrou o Western Spaghetti como cinema alternativo ao americano.
Gastou-se 120.000 Dólares e arrecadou 2 milhões de Dólares e foi vendido e assistido em todo o mundo causando forte impacto visual.Como curiosidade: o filme foi produzido pela Jolly Film que naquele ano produziu somente dois Westerns.
“Por um punhado de Dólares" de Sergio Leone ainda com pseudônimo de Bob Robertson e “As pistolas não discutem” (Le Pistole non Discutono) de Mario Caiano (Mike Perkins). Este último é considerado o primeiro e verdadeiro Western Italiano. A Jolly confiava pouco no filme tendo como protagonista Clint Eastwood que tinha um olhar estranho e concentrou toda sua atenção no “Le Pistole non Discutono” este que seia o 1º. Haviam muitos erros, Clint ganhou o afeto dos produtores da Jolly Film na Itália e trabalhou sozinho com Leone sempre com sua grande estima e dedicando-se muito aos seus filmes.Leia mais e tudo sobre este filme em “História do Bang Bang à Italiana” nos marcadores deste blog e saiba detalhes como por exemplo que Enrico Maria Salermo (Bandidos - 1967 - como o famoso pistoleiro Richard Martin) dublou a voz de Joe (Clint Eastwood) na versão italiana. Ennio Morricone ainda era “Dan Savio” , Benito Stefanelli era ator e coordenador de Dublês (Stunt), Alessandro Alessandroni foi o arranjador e assoviador de uma das primeiras musicas assoviadas no Western e Michele Lacerenza foi um dos primeiros trompetistas neste gênero. Tonino Valerri já começa seu estágio com Leone e faria anos depois clássicos com “Meu nome é Ninguém” com Terence Hill. As interpretações nas versões musicais vocais de Maurizio Graf em italiano “Occhio Per Occhio e An Eye for an Eye” na versão inglesa são fantásticas. Outra versão raríssima é a de Peter Tevis de “Per Un Pugno Di Dollari”. Estas músicas estão em destaque neste post.
É muita história...


5 comentários:

  1. Nascia com esse filme um novo estilo de filmar westerns,demolindo a cada exemplar o modo tradicional que Hollywood utilizava há décadas. O roteiro foi baseado, de fato, no do filme de Akira Kurosawa, mas a forma de filmar era totalmente diversa da do diretor japonês. Poucos planos abertos, largos (panorâmicas),especialmente nas cenas com cavalos à galope e tiroteios, intercalados por numerosos closes sucessivos. Leone utilizou a nitidez de extemo a extremo que o techncolor inventado à época permitia e elaborou planos superpostos num mesmo quadro,que eu tomaria a liberdade de chamar de ilusionismo de enquadramento, pois temos a ilusão de ver vários enquadramentos dentro de um. Podemos tomar como exemplo dessa técnica o primeiro confronto com os bandidos, em que aparece um personagem em primeiro plano,outro num plano intermediário e mais dois ao fundo em profundidade ( o que em linguagem técnica os críticos chamam de profundidade de campo). Dá para perceber a reação de cada bandido praticamente com a mesma nitidez. Quanto ao uso do primeiro plano convém notar que cada close é diverso do outro,oferecendo uma nova perspectiva, com novas nuanças dramáticas,sem deixar de ocorrer a intercalação do que se passou a chamar de big close ou close extremo combinado ao zoon (uma forma de emolduramento) nos momentos em que a dramaticidade toma contornos mais intensos.Leone também inovou de forma desconcertante utilizando o primeiro plano com a câmera em movimento, executando um traveling giratório. Como exemplo podemos citar a cena em que os Rojo, comandados por Ramon, massacram a família Baxter, juntamente com seu bando. A câmera circula de rosto em rosto captando a reação psicológica de cada personagem (esse processo atingiria a perfeição em Três homens em conflito e Era uma vez no oeste)enquanto atiram com os revólveres também em primeiro plano. Outra característica surgida já nesse primeiro filme são os sons de tiros, socos e galope dos cavalos intensificados ou amplificados, principalmente nas sequências de maior tensão. O estampido spaghetti(o som característicos do tiros), forte,cheio porque não dizer "colorido" já surge aqui também e será aperfeiçoado ao longo dos quatro westerns. É conveniente atentar que em Três homens em conflito Leone pensou três estampidos diferentes, um para cada personagem como expressão( ou para dar ênfase) da sua natureza, assim como as vinhetas sonoras com instrumentos diferentes para cada um deles- e muita gente por não entender o processo criativo do diretor critica esses sons. E tudo isso virou História pessoal...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, um comentário que faz juz a esta postagem.
      O legal deste filme também é a quantidade de atores ícones deste seguimento que atuaram na época.
      Parece que ele conseguiu juntar todos num só filme.

      Excluir
    2. Sim, concordo com você amigão.
      Valeu pela correção.

      Excluir
  2. Uma correção deve ser feita Edelzio. Eu disse que Leone utilizou o technicolor para aproveitar melhor os enquadramentos e ter maior nitidez. Na verdade ele utilizou câmeras com o formato techniscope desenvolvido pela technicolor em sua filial de Roma conforme pode ser verificado no artigo de Adriano Barbuto "Western spaghetti e o techniscope". O tecnicolor é o sistema americano acadêmico responsável por determinado tipo de cor, enquanto o techniscope refere-se ao tipo de formato, que no caso derivou do antigo scope, permitindo uma maior operacionalidade no manejo pelo fato do aparelho ser mais leve e as lentes esféricas permitia profundidades de campo com mais nitidez. Seu formato era de 22x9,5 que resulta em 209mm², ou seja, um pouco mais da metade da área do Cinemascope,que é de 418mm². Esclarecendo 22mm refere-se à largura e 9,5mmm à altura. É o que nós chamamos de formato widescreen.

    Consultar Western spaghetti e o Techniscope « Revista Universitária do ...
    www.rua.ufscar.br/site/?p=1789

    ResponderExcluir
  3. Agora assim amigo.
    Ficou melhor esclarecido.
    Eu senti que tinha alguma observação pendente.
    valeu.

    ResponderExcluir

Crítica, Opinião e Sugestão - Escreva Aqui: