Portal dedicado ao Espaghetti Western

Letras-Lyrics-Song-Sung-Espaghetti Western-História-Músicas-Entrevistas-Curiosidades-Pesquisa-Opinião-Atores Brasileiros no Espaghetti Western-Atualidades-Homenagens-Resenhas-Sinópses-Subtitles-Legendas-Filmes.

12 agosto 2010

ESTE HOMEM NÃO PODE MORRER

Guy Madson (19/01/1922*02/02/1996)
“I LUNGHI GIORNI DELL´ODIO”
“THIS MAN CAN´T DIE”
“LONG DAYS OF HATE - USA”
Produção 1966 Itália
Direção: Gianfranco Baldanello
Música: Amedeo Tommasi e Ennio Morricone
Sonorização de Massimo Loffredi
Duração: 91 min.
Fotografia: Claudio Cirillo
Edição: Alberto Gallitti
História: Luigi Emmanuele, Gino Mangini e Gianfranco Baldanello
Figurino de Maria Luisa Panaro
Decoração Set: Giorgio Giovannini e Emilio Zago
Estudios Elios – Roma
Produção Mercurio Film

Guy Madison - Martin Benson
Rik Battaglia - Vic Graham
Pietro Martellanza (Peter Martell) -Tony Guy
Lucienne Bridou - Susy Benson
Rosalba Neri - Melina - Garota de Martin
Anna Liotti - Jenny Benson/muda
Gioia Desideri - Lillian
Alberto Dell´Acqua - Daniel Benson
John Bartha - Xerife
Franco Gulà – Velho Joe
Franco Pesce - Barnaby
Jlse Scholzel - Sargento
Giovanni Ivan Scratuglia - Capitão
Fortunado Arena - Carl
Silvio Jachino, Attilio Dottesio, Gaetano Scala e Giovanni Querrel.

Um excelente eurowestern com Guy Madison talvez no seu melhor papel no Spaghetti Western sob a direção de Gianfranco Baldanello em seu terceiro Western Italiano como diretor do total de seis dirigidos. Um enredo simples com o famigerado latifundiário tomando as propriedades de pequenos agricultores.
Guy Madison é “Martin Benson”, um agente secreto do governo dos Estados Unidos que após ganhar a vida caçando contrabandistas de armas e de bebidas agora investiga os crimes na região.
Aqui, ele interpreta um pistoleiro de reputação duvidosa, que aceita a missão de rastrear os fornecedores de rifles para reservas indígenas no Texas onde seus pais foram mortos, irmã estuprada e agora unido ao seu irmão mais novo Daniel (Alberto Dell´Acqua) saem em busca de vingança. Para isso deve descobrir quem é o líder das mortes, torturas e saques, muito bem representado por Rik Battaglia no papel do chefão Vic Graham.
Quando Daniel Benson e sua irmã mais velha Susy (Lucienne Bridou de "Black Jack " ) chegam à fazenda, percebem que seus cavalos fugiram e um homem ferido está deitado em sua propriedade. Inicialmente, Daniel acredita que o homem ferido é um dos bandidos que mataram seus pais. Ele leva o homem a uma caverna e leva o Dr. Parker para atendê-lo. Enquanto isso, Vic Graham cobiça Susy , embora ela se recuse a ter qualquer envolvimento com ele. O bandido ferido é Tony Guy (Peter Martell) também agente do governo que passa o filme inteiro deitado com um ferimento de bala no peito.
Martin descobre o ponto de encontro entre os índios e os contrabandistas de armas de Graham. Sua habilidade com uma Winchester para explodir dois vagões cheios de munições é infalível em dois tiros certeiros.
É feito prisioneiro, mas ele escapa para dar continuidade a sua vingança. Guy Madson um pouco envelhecido para o papel, com barba por fazer, quase irreconhecível como no personagem de "Wild Bill Hickok " na série de TV americana que da década de 50, mas convincente para o Espaghetti Italiano. Em 1967 faria "bang Bang Kid" em um papel ridículo de "Bean Bullock" uma mistura de Feudo-Western.
No filme temos vários ingredientes pré-Leone como brutalidade, estupro, nudez, sangue, explosões, assassinatos de idosos, mas muito bem dosados sem os excessos de Leone.
Excelente uso de locações, um simples elenco mas com atuações muito bem colocadas em seus papéis. O diretor não poupou beleza; Muita mulher bonita.
" I Lunghi Giorni dell'odio " (Long Days of Hate -1967) , dirigido por Gianfranco Baldanello , que iria fazer o famoso " Black Jack " (1968), está acima da média do Espaghetti Western .
Embora não seja no mesmo nível como Leone, Corbucci de Castellari, este filme ainda mantém um clima muito bom, com excelentes cenas de ação, algumas brigas de bar, muito bem encenado, muito bem feito com bons tiroteios e confrontos. A data em que se passa a história está cuidadosamente registrada na cruz do cemitério “1870”.
Curioso também é a figura de um Velho mineiro com sua corneta (Franco Gulà) e com sua mula “Washington” que ao começo desmonta-a da sela com uma escada do lado esquerdo e ao final repentinamente surge do nada e sobe a escada do lado direito da mula (uma falha?), só pra melhorar a tomada da cena final do filme.
Um final bem planejado e diferente do habitual com o vilão morto na ponta de uma corda.
Baldanello , Emmanuele e Mangini contam uma história de cobiça , redenção e justiça de um ex-bandido tentando se redimir do passado com um enredo simples mas muito bem manipulado com a ajuda de uma boa edição de Alberto Gallitti e um cenário muito bem feito por Giorgio Giovannini e Emilio Zago.
Prestando atenção quando Martin Benson recebe uma caixa com as armas dos bandidos mortos por ele do capitão do exército (Giovanni Ivan Scratuglia de "Kill and Pray " ) na primeira cena do filme pode-se entender melhor o final.
Amedeo Tommasi e Morricone misturam influências na trilha sonora com guitarra elétrica dominante durante o filme e um tema com voz forte cativante com influência de Balada Pop.
Inicio do filme repentino com três cordas penduradas em uma forca e já se pode ouvir nos primeiros acordes da música uma fusão dos dois distintos estilos musicais destes maestros; “guitarra elétrica natural e trombone de vara se contrapondo”.
Para a época era pura inovação; um trabalho raro de se ouvir tendo em vista uma das únicas parcerias para um só filme na época. Tommasi deveria ter participado mais no Western. Seria mais um grande compositor e inovador.
As sequencias variáveis musicais baseadas no tema inicial principal ficaram muito boas, uma em especial é a típica música do “Piano-Saloon”.
Trechos de músicas de “Por um punhado de dólares” podem ser ouvidos no filme e percebe-se o sincronismo delas como era de costume de Morricone, “Fazer a música no tamanho da cena”.
Não há ligação entre as duas tramas aparentemente envolvidas pela música.

Assisti em preto e branco e fica muito bem fotografado. Esta cópia é parte de uma coletânea de nove "Spaghetti Westerns da produtora America St. Clair Vision". Este legendado em português.
Super-indicado aos fãs, principalmente para aqueles que estão fugindo dos efeitos especiais de hoje. Um filme difícil de se achar. Não possuo a trilha sonora completa e gostaria de saber quem possui.

2 comentários:

Crítica, Opinião e Sugestão - Escreva Aqui: