Portal dedicado ao Espaghetti Western

Letras-Lyrics-Song-Sung-Espaghetti Western-História-Músicas-Entrevistas-Curiosidades-Pesquisa-Opinião-Atores Brasileiros no Espaghetti Western-Atualidades-Homenagens-Resenhas-Sinópses-Subtitles-Legendas-Filmes.

26 maio 2010

ANTHONY STEFFEN - BRASIL NO WESTERN SPAGHETTI 20


ANTHONY STEFFEN
(Antonio Luís de Teffè Von Hoonbilz)
Mini Biografia - Ator
Nascido, (Birth) 21 de Julho de 1930 em Roma, Italia.
Falecido, (Died) 04 de Junho de 2004 em Leblon, Rio de Janeiro.

Filho do embaixador Manoel de Teffé, nascido na embaixada brasileira em Roma, portanto com dupla nacionalidade, foi batizado com o nome de Antonio Luiz de Teffè Von Hoonbilz, em homenagem ao bisavô, um aristocrata de origem prussiana. Adolescente saiu de casa para se juntar aos guerrilheiros contra os nazistas durante a 2ª Guerra.
Começou sua carreira cinematográfica como serviços gerais e mensageiro nos estúdios para Victorio de Sica, que dirigia “Ladrões de Bicicleta” e já no final da década de 50 começou a figurar em filmes populares de espada, épicos, comédias românticas e aventuras.
Em 1953, foi assistente de direção do primeiro filme de Mauro Bolognini, o diretor de “O belo Antonio”. No primeiro filme como ator, “Gli sbandati”, de 1955, fez sucesso destacando-se no Festival de Veneza. Fez 13 filmes com o nome Antonio de Teffé.
Em 1962 veio conhecer o Brasil e foi neste ano que recebeu o convite para fazer parte do elenco de uma superprodução americana, “Sodoma e Gomorra”, dirigida por Robert Aldrich. Passou três meses filmando no Marrocos e voltou com dinheiro suficiente para comprar dois apartamentos em Roma. Começou então a figurar entre atrizes importantes da década de 60 como Sophia Loren, Gina Lollobrigida, Claudia Cardinale e muitas outras.
Era amigo de Sergio Leone, sempre, elegante, educado, fluente em Inglês, Francês, Português, Espanhol e Italiano, Steffen conviveu com os grandes cineastas daquela época.
Historicamente foi em Dezembro de 1965 que estreou como pseudônimo de Anthony Steffen sugerido pelo diretor Mario Caiano em “Um caixão para o xerife”, o primeiro de seus western-spaghetti. Daí em diante, nunca mais lhe faltou dinheiro. Foi o protagonista de “Poucos dólares para Django”, “Um trem para Durango”, “Sete dólares para matar”, “Killer Kid” , “Tequila!”, “Garringo”, Arizona Colt” e outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Crítica, Opinião e Sugestão - Escreva Aqui: