Portal dedicado ao Espaghetti Western

Letras-Lyrics-Song-Sung-Espaghetti Western-História-Músicas-Entrevistas-Curiosidades-Pesquisa-Opinião-Atores Brasileiros no Espaghetti Western-Atualidades-Homenagens-Resenhas-Sinópses-Subtitles-Legendas-Filmes.

06 setembro 2011

1o. Festival de Filmes Espaghetti Western de Almería-Espanha Chegou a Hora Muchachos

1er Almería Western Film Festival - del 8 al 11 de Septiembre del 2011
El 1er festival internacional de cine Westerrn de Almería ya está a la vuelta de la esquina, tenemos una lista de películas de todas las nacionalidades que se proyectarán del 8 al 11 de septiembre en el teatro municipal de Tabernas (de 10:00H a 19:00H) y en Fort Bravo (de 19:00H a 03:00H).

La selección oficial del festival presenta una colección de films producidos durante el 2010 y el 2011 y la sección especial, que está dedicada exclusivamente al Spaghetti Western, ofrecerá films clásicos y un Forum sobre el Spaghetti Western con la parrticipación de Fabio Testi, Craig Hill, Rafael Romero Marchent, Nicoletta Machiavelli, Frank Braña, Saturno Cerra, Eugenio Martín, Antonio Pico y Carlos Aguilar.

Entre los largos proyectados podemos encontrar 'The Dead And The Damned', 'Blackthorn', 'Aballay', la cinta de animación 'Rango' y la galardonada y diez veces nominada a los Oscars 'True Grit', basada en el aclamado libro escrito por Charles Portis y dirigida por los hermanos Cohen. Entre los filmes internacionales presentados también podemos encontrar 'The Mountie' y 'The Warrior's Way'. 'The Mountie' es un film canadiense dirigido por Wyeth Clarke, una historia de venganza con claras pinzeladas de el cine de Leone
protagonizada por Andrew W. Walker y Jessica Paré.
The Warrior's Way' es una película de Nueva Zelanda de Sngmoo Lee protagonizada por Kate Bosworth, Geoffrey Rush y Dong-Gun Jang. Cuenta la historia de un guerrero obligado a refugiarse en el salvaje oeste después de rechazar una misión. Los cortometrajes presentados incluyen 'The Price' dirigido por Zeke Pinheiro y James St. Vincent y producido por Michael May y Áshleigh Snead. Protagonizado por Carlos Gallardo, 'The Price' es un western postapocalíptico que explora la diferencia entre el forajido y el criminal.

Otros cortos que se proyectarán en el festival son, el español: 'Only Guilt Pulls More Triggers' y la comedia francesa 'Les aventures borgnes de Diaz Le Clairvoyant'.

El Forum Spaghetti Western se celebrará en el Saloon de Fort Bravo el viernes y sábado a las 20:30, ¡os recomendamos a todos llegar pronto!

Dave Bourne estará al piano cada noche desde medianoche hasta las 3:00 de la madrugada junto a los otros grupos musicales que tocarán en el escenario del Saloon: Ayahuasca Band y Rattlesnake Kiss. La exposición de posters originales del Spaghetti Western tendrá lugar en uno de las casas de madera de la avenida principal de Fort Bravo. Esta increible colección de posters enmarcados de los años 60 y 70 estarán a la venta.

El Saloon, bares y la tienda de merchandise abrirán sus puertas cada noche hasta las 3:00 de la madrugada. ¡Y recordad que animamos a todo el público a venir vestidos en sus mejores atuendos de Cowboys!

(c) 2011 AWFF

Acesse ao site Almería Western Festival 2011, e conheça a grande lista de filmes, a agenda das exibições e as oficínas que serão realizadas neste grande evento.

13 comentários:

  1. Mensagem recebida via E-mail: Produção do filme "The Price" pariticipante deste festival 2011.


    Hi E. Sanches,
    Thank you so much for including "The Price" in your blog post today about the Almeria Western Film Festival. We are traveling to Spain tomorrow and will be attending the festival all week. If you plan to attend and are interested in speaking with James or Carlos about the film I am happy to set up an interview for you. Or if you would like to speak with them via Skype or e-mail after the festival I can arrange that as well. They can talk about the film as well as their experience at the AWFF.
    Thanks again for mentioning the film in your post! We appreciate it.
    Best,
    Ashleigh
    Producer
    "The Price"
    www.thepricefilm.com

    Tradução para Português

    Olá E. Sanches,
    Muito obrigado por incluir \ "O Preço de \" no seu blog hoje sobre o Festival de Cinema de Almeria Western. Estamos viajando para a Espanha amanhã e vamos estar presentes no festival toda a semana. Se você pretende participar ou estiver interessado em falar com James ou Carlos ou falar sobre o filme estarei feliz em marcar uma entrevista para você. Ou se você gostaria de falar com eles via Skype ou e-mail após o festival, posso arranjar isso também. Eles podem falar sobre o filme, assim como sua experiência no AWFF.

    Mais uma vez obrigado por mencionar o filme em seu post! Nós apreciamos isso.

    Grata,
    Ashleigh
    Produtora
    The Price "O Preço"
    www.thepricefilm.com

    ResponderExcluir
  2. Alô Ashleigh Snead e toda a equipe do filme.
    Vocês não imaginam a felicidade com que recebi este seu email.
    Meu humilde blog no Brasil foi criado para difundir e preservar este seguimento cinematográfico e tem crescido muito.
    Ficarei feliz em fazer uma entrevista com os idealizadores do filme “The Price” mas antes terei que assisitir ao filme e no Brasil ainda temos poucas informações sobre ele.
    Assisti somente aos Clips Youtube [http://www.thepricefilm.com/] e pela prévia percebe-se que os fãs irão gostar muito.
    Sei que agora estão em pré-lançamento e que estão com muito trabalho e assim que acalmar a situação estaremos conversando.
    Estaremos anciosos em ter mais informações com James ou Carlos sobre o filme que uma nova opção de ação e aventura num já cansativo mundo do cinema digital. Não se sabe mais o que é real e o que é digital. Estes filmes chegam Na hora certa.
    Sucesso e Sorte a todos Muchachos.
    Pelo respeito e humildade com os fãs, vocês merecem!

    ResponderExcluir
  3. Comentário Via E-mail de Aprígio/História
    Feira de Santana - Velha Bahia - Brasil

    Estamos ansiosos aguardando a repercussão deste festival.
    As 25 faixas que me enviou de "Il venditore di Morte" são daquelas para a gente tem que ouvir com calma, deitado, refletindo em momentos de relaxamento. Rapaz eu estava vendo os dez preferidos do Felipe M. Guerra no blog (Por-um-punhado-de-euros) e lá estava em 7º lugar "Tempo de Massacre", um filme pelo qual eu me apaixonei imediatamente. A voz de Sergio Endrigo ecoando das profundezas das torrentes do rio que mescla sangue e água é algo sobrenatural. O rosto de Júnior (Nino Castelnuovo) pendendo para o lado e ele sem falar quase nada foi algo que embasbacou cineastas do mundo inteiro.
    É hipnotizante. Eu coloco o filme de vez em quando só para ouvir a música na abertura.
    Em 4º lugar o Felipee colocou um spaghetti que eu não tinha visto ainda: Matalo. Resolvi procurar e por sorte um amigo vizinho tinha uma cópia pirata. Peguei assim mesmo para conferir, tipo "só vendo para crer". Que filme extraordinário é esse rapaz? Algo fora do comum, até mesmo para o estilo barroco do
    spaghetti. Há 41 anos atrás o Canevari praticamente antecipou tudo que está aí e que as pessoas pensam que é novidade. O cara fez aquilo tudo em 1970? A cena em que a câmera acompanha os bumerangues lançados é replicada hoje com aquelas cenas em que a bala é acompanhada em primeiro plano e em câmera lenta até atingir o alvo, aparecendo depois o buraco. Filmes de terror contemporâneos, thrilers
    psicológicos, policiais, etc. inspiraram-se nele e em outros como Django Kill. Tudo o que o John Woo faz não é novidade nenhuma como pensam os desinformados. Aguarde o comentário de Navajo Joe, depois enviarei uma resenha que fiz de Sabata Adeus.
    Valeu

    ResponderExcluir
  4. É amigo, estaremos sendo informados sobre a repercussão deste que é sem dúvida o evento do ano neste seguimento.
    Agradeço mais uma vez por seu "Great Coment" sempre bom e rico em detalhes.
    Parabéns pelo conhecimento e obrigado por sua participação

    ResponderExcluir
  5. Comentário Via E-mail de Aprígio/História
    Feira de Santana - Velha Bahia - Brasil

    Amigo Edelzio, boa noite

    Este Festival de Almería veio num momento especial e deve se tornar a caixa de ressonância dos fãs. Farei comentários e perguntas pontuais e eu gostaria que você insistisse nelas ao contactar os participantes do Forum sobre el Spaghetti Western, principalmente Fabio Testi e Nicoletta Machiavelli.
    Vi os cartazes dos filmes produzidos em 2010 e 2011 e que farão parte da mostra como Goodnight for Justice, The Gundown, The Mountie, etc. e estou ansioso para conferir na telona ou em DVD as inovações de linguagem e as propostas temáticas.
    As questões que quero lançar são oportunas no âmbito do evento, que é o primeiro do gênero e de muitos que espero deverão acontecer. Este festival estimulará cineastas italianos, espanhóis e alemães a realizarem westerns novamente?
    Existem estudos, pré-projetos, produtoras dispostas a arriscarem no renascimento do gênero? Existe uma demanda satisfatória para este gênero hoje na chamada era digital com tanto apelo aos efeitos especiais e 3D. Outra questão que coloco para ser problematizada é a seguinte: Foram produzidos centenas de spaghettis com temáticas predominantemente urbanas quase sempre com a motivação principal da vingança (filho vingando o pai, irmão vingando irmão, irmã, etc).

    Predominando o elemento étnico-racial branco, sendo o elemento indígena quase totalmente eliminado, ocorrendo poucos filmes com personagens índios como (100.000 Dolares para Ringo de 1965) e Scalps (Vingança Índia de 1987) e mais uns dois ou três. O que levou a esse posicionamento temático e narrativo? Foi uma escolha em consonância com a demanda ou posicionamento ideológico-racial? (eu particularmente tenho minhas próprias conjecturas a respeito).
    O mesmo questionamento eu faço em relação ao elemento étnico-racial negro no Spaghetti Western ( as personagens negras são poucas). Faço esse questionamento porque as temáticas e narrativas citadas levou a que muitos críticos torcessem o nariz para o gênero, como é ainda hoje. Estas são as questões que coloco para um debate acalorado na mesa entre os participantes.
    E finalmente peço que leve meu apelo que traduz a vontade de todos os fãs em volta do mundo: Italianos, voltem logo a fazer Westerns Spaghetti com aquela paixão antiga que só vocês têm. Nós, os fãs estaremos aguardamos a revelação de novos diretores, atores, fotógrafos e compositores como naqueles tempos gloriosos.
    Vamos muchachos, disparem aquele velho e bom talento com molho e estampido Spaghetti (BWAMMM...!)

    ResponderExcluir
  6. É isso ai amigo.
    Já fui informado antecipadamente que após o Festival estarão disponíveis a apreciar as opiniões, sugestões e questões dos fãs sobre o assunto.
    Tenho uma entrevista pré-agendada com um produtor de um dos filmes participantesdeste eveneto.
    Vamos aguardar.

    ResponderExcluir
  7. Prezado Edelzio eu quero que você nessa entrevista insista naquelasa questões que eu coloquei no meu último comentário. Ok, obrigado.

    ResponderExcluir
  8. Edelzio, estou passando agora o comentário prometido sobre a resenha feita por Pedro Pereira do blog "Por um punhado de euros". Não é na verdade uma crítica da crítica por que concordo com as criticas do pedro e acrescento observações minhas. aqui vai:

    Concordo com o Pedro Pereira em muitos pontos. Quando assisti este spaghetti na TV (foram poucos os que vi na telona do cinema) achei espetacular, me emocionava a cada cena. Naquela época, em torno de 1985, eu me fixava mais na violência e na trilha sonora paarticular do estilo spaghetti e adese film me pegou de cheio. Agora depois de muitos anos ao vê-lo em DVD percebi alguns problemas que me deixaram um tanto decepcionado e que me fazem talvez não incluí-lo no meu top 10 do gênero.
    Me parece que Corbucci tinha no início de sua incursão pelo westearn uma persistente dificuldade em ipor o seu estilo Essa dificuldade estava presente em seus primeiros filmes do gênero como Massacre no Grande Canyon e Minesota Clay. Ele parecia ter mêdo de que os críticos dissesssem que estava imitando Leone. Em Minesota... os closes são raros e a narrativa alterna (ou se dilue) entre o western tradicional e o spaghetti. Em Massacre... parece ter sido ainda pior pelo que tenho lido em algumas resenha (ainda não assisti esse filme). Em Navajo Joe ele ainda não consegue vencer o bloqueio, paraece sempre existir uma hesitação. Os zoons são muito rápidos e os closes nos rostos dos atores não demoram o suficiente para que se obtenha o aprofundamento psicológico das personagens. Ele aplica o zoom, enquadra o close e puxa muito rápido, fazendo aquilo que eu chamo de zoom invertido, o que ás vezes transmite a sensação de de falta de um domínio fílmico completo, seguro. Leone enquadrava o primeiro plano (muitíssimas vezes o big close mesmo- é possível contar cerca de 50 closes desse tipo em três homens em conflito) e demorava o bastante até conseguir o efeito desejado(aquele multifacetamento que conhecemos). Esse diretor tinha o controle total, o tempo certo.
    Corbucci parecia ter mêdo (digo nessa fase) de fazer o mesmo e se perder, não conseguindo e depois receber a pecha de imitador.
    não quero aqui defender que os dietores devam seguir rigorosamente a receita de outros, seria pretender um estilo único, monolítico, despersonalizando-os, retirando sua identidade artística (cada cabeça é um mundo). no entanto lembro que Giulio Questi em seu Django Kill de 1968 usou e abusou de closes, fazendo um estudo detalhado de rostos, mãos, bôcas com desntes mastigando e bicos, muito parecido com o diretor citado, mas sem no entanto imitá-lo O outro Giulio que é Petroni em "A Morte anda a Cavalo"(1967)usou zoons e primeiros planos belíssimos, muito parecidos aos de Leone,alcançando grandes resultados, mas também sem imitá-lo. Mario Siciliano beirou a perfeição em 'Vigliaco non pregano" , (Sua lei era a vingança), também de 1968, em cujo filme os closes parecem ter sido calculados segundo os pricípios matemáticos da pintura de Leonardo da Vinci.
    todavia nosso herói aqui em questão consegue da metade do filme em diante melhorar a pontuação. Nas cenas da tortura temos closes espetaculares no rosto de Joe, levando sôcos e nos contraplanos closes do punho de seu algoz batendo,e ao mesmo tempo a visão de seu rosto enraivecido (western Spaghetti sem closes sucessivos não é western spaghetti).
    A virada de fato ocorreria em 1968 com The Great Silence/ Il grande silenzio (vingador silencioso) em que Corbucci rompeu definitivamnte o bloqueio e a reflexão spaghetti-closeana triunfou sem mêdo de Leone.
    Nosso grito de guerra:
    Vamos muchachos, disparem.

    ResponderExcluir
  9. Aprígio muito bom mais uma vez, abordando aqui um assunto muito gosotoso de se observar: Os Close-ups nos Espaghetti Westerns.

    Acho que os Close-ups sempre existiram mas em sua maioria em atores e atrizes bonitos e a mudança radical foi que os italianos começaram a investir em atores não só bonitos mas feios também. O ator americano jack Elan em "Era uma vez no Oeste" com um mosquito no rosto não era lindo, o olhar de "Anjel Eyes" Lee Van Cleef, Jack Palance, enfim não precisavam mais ser bonitos e sim ter expressão marcante.
    Henry Fonda em "Era uma vez no Oeste" imortalizou o Close-up de Leone nos seus frios olhos azuis no momento em que recebe uma bala de Charles Bronson no duelo final do filme.
    Aqui nos deparamos com outra novidade; Dois americanos se enfrentando em um Western-Mítico-Europeu, dois close-ups imortalizados que serviu de escola para muitos diretores poderem mostrar mais de perto as reais interpetações dos atores. São detalhes como esse que faz com que o Western Spaghetti a cada dia que passa venha a conquistar mais fãs pelo mundo e fazendo com que estes atores continuem tendo a sua popularidade que sempre tiveram.
    Isso prova que este seguimento está mais vivo do que nunca.

    ResponderExcluir
  10. Maravilhosa entrevista com o Robert Woods,com a participação de muitos fãs. Minha pergunta também estava lá.Só faltou fazer aquela pergunta que não quer calar: se existe possibiliddade dos europeus, particularmente os italianos voltarem a fazer westerns novamente. Woods se unindo ao Franco Nero poderia incentivar produtores diretores a investirem em novas temáticas para o gênero.Mas podemos torcer e lutar para que aconteça a convençaõ na América Latina proposta por você, Sanchez. Valeu , obrigado.

    ResponderExcluir
  11. Vamos com calma Amico!
    Estamos iniciando uma nova era.
    Este é só o recomeço de algo que estava praticamente acabado.

    ResponderExcluir
  12. Mensagem via E-mail de Danny Garcia Promotor do Evento Almeria Western Festival Film 2011
    Edelzio,

    La prensa se encargó de comunicar los ganadores del Festival: Aballay de Fernando Spiner (mejor película) y The Warrior's Way de Sngmoo Lee (premio del público).
    Culturalmente el Festival ha sido un éxito y mediaticamente también aunque faltó un poco más de participación del publico de Almeria.
    Ya estamos hablando con las instituciones locales para trabajar juntos para el AWFF 2012.

    Gracias por tu apoyo.
    DG
    ALMERiA FESTIVAL 2011
    awffinfo@gmail.com

    ResponderExcluir
  13. Estaremos sempre dispostos em colaborar para a preservação deste seguimento cinematográfico.

    ResponderExcluir

Crítica, Opinião e Sugestão - Escreva Aqui: