Portal dedicado ao Espaghetti Western

Letras-Lyrics-Song-Sung-Espaghetti Western-História-Músicas-Entrevistas-Curiosidades-Pesquisa-Opinião-Atores Brasileiros no Espaghetti Western-Atualidades-Homenagens-Resenhas-Sinópses-Subtitles-Legendas-Filmes.

23 agosto 2011

Vou, Mato e Volto (Any Gun Can Play)

Terra Sem Lei (Brasil)
O Assassino De Olhos Frios (Brasil)
“Vado... L´Ammazzo É Torno”
“Voy Lo Mato Y Vuelvo”
“Go Kill And Come Back - USA”
“Any Gun Can Play - USA”

Produção: 1967 - Itália
Direção: Enzo Girolami Castellari
Música: Alessandro Alessandroni e Francesco De Masi
Composição: Giulia De Mutiis "Stranger" interpretada por Raoul
Fotografia: Giovanni Bergamini
Escrito: Tito Carpi, Romolo Guerrieri, Sauro Scavolini e Giovanni Simonelli
Duração: 105 Minutos
Distrib. Brasil VHS: Edt E Wks – Century Vídeo
Estudios de Cinecittà - Roma

Edd Byrnes – Clayton o Banqueiro
George Hilton – O Estranho/Django/Caçador de Recompensas, Estrangeiro
Gilbert Roland – Monetero/Um celebre Fora-da-lei
Stefania Careddu (Kareen O´Hara) – Guapa/Marisol
Ivano Staccioli – Capitão
José Torres – Guangue de Monetero
Gérard Herter – Lawrence Blackman (Agente da Seguradora)
Ignazio Spalla (Pedro Sanchez) – Pajondo
Adriana Giuffrè – Taberna – Conchetta
Valentino Macchi – Charro Ruiz
Riccardo Pizutti – Paco (Guangue de Monetero)
Rodolfo Valadier – Pablo
Salvatore Borghese (Sal borghese) – Guarda da Prisão
Rocco Lerro – Guangue de Monetero
José Yepes – Guangue de Monetero

Após o encerramento do “77 Sunset Strip” uma fenomenal série de investigação criminal da TV americana em 1963, Edd Byrnes que tinha se tornado um lendário ídolo adolescente “Kookie” do show, estava tendo alguns problemas para manter seus 15 minutos de fama como acontecia com a maioria dos ídolos adolescentes. Em 1967 ele foi para a Europa para ver se o Spaghetti Western faria por ele o que fez por Clint Eastwood. Conseguiu fazer dois filmes até acima da média mas não alcançou tanta popularidade como Eastwood, mas tem mais de oitenta outros trabalhos como ator em sua carreira. Neste mesmo ano faria também “Profissionist per um Massacro” dirigido por Nando Cícero também atuando ao lado George Hilton. Aqui em “Vou, Mato e Volto” (Any Gun Can Play) especificamente, Byrnes e Gilbert Roland são os dois únicos nomes norte-americanos e nota-se que fica difícil saber qual é o ator principal entre eles além de contar com um experiente Pistoleiro Macarrone com nome americanizado de George Hilton, ator uruguaio com nome verdadeiro de Jorge Colina Acosta y Lara.
Gilbert Roland com mais de 140 filmes em sua carreira é outro ator americano com aquele seu bigodinho charmoso que também tentou fazer algum dinheiro na Europa e seu nome aparece em outros Espaghetti Westerns que complementaram sua experiente carreira. Três pistoleiros chegam a uma sinistra cidade do oeste e percebe-se obviamente que não estão a passeio e, com olhares ameaçadores, intimidando todas as pessoas moradoras do local escondidas em suas casas que já estão prevendo o que acontecerá nos próximos cinco minutos. Observando atentamente, notamos que destes três pistoleiros dois deles tem uma semelhança impressionante com personagens de Leone do filme “Por alguns dólares a mais”. Um deles com um poncho de Eastwood, um de terno preto que faz lembrar Lee Van Cleef até no olhar.
Durante uma viagem de trem os passageiros são surpreendidos por um assalto.
São 300.000 dólares pertencentes a um banco que estavam sendo transportados e são roubados pela gangue de um bandido conhecido como Monetero (Gilbert Roland). Em um típico assalto de trem bem planejado, os bandidos conseguem levar a grande quantidade de moedas em ouro, sob o olhar de um passageiro enigmático; ele é o pistoleiro conhecido como “O Estrangeiro” (George Hilton).
Após bem sucedido o roubo, Monetero é traído por Pajondo (Pedro Sanchez) que foge com o ouro e o esconde em um local secreto.
Em uma perseguição, Monetero se vê obrigado a matar Pajondo eliminando sua única possibilidade de encontrar o ouro, mas Monetero fica com um estranho medalhão que estava com Pajondo. Monetero acaba sendo capturado pelos soldados do Capitão do Exército (Ivano Staccioli).
O medalhão com a forma de um “brasão da família” agora é sua única pista para se chegar ao ouro.
“O Estrangeiro” agora tem a sua chance de ficar com todo o dinheiro do assalto e disfarçado de padre, ele se encontra com Monetero na prisão e ao ajudá-lo a fugir, os dois fazem um pacto para dividirem o dinheiro entres si. O medalhão é partido em duas partes e cada um fica com sua metade como garantia de sua parte do segredo onde está escondido o ouro, pois as duas partes unidas podem desvendar o segredo onde localizar o ouro. (Lembram-se de Paco e Blondie o Loirinho: Um sabia o nome do Cemitério e o outro da Sepultura – mera coinscidência?).
Aproveitando-se de tudo isso, Clayton (Edd Byrnes) executivo banqueiro corrupto que fazia a escolta do ouro no trem tem também seus planos para por a mão no ouro escondido e só ele sabe que pode estar escondido na antiga “Missão Cuenca” na fronteira mexicana tal qual brasão gravado no medalhão.
O filme consegue seguir um ritmo envolvente até o final da primeira hora e percebe-se que daí para frente toma um rumo mais para a comédia e muda de velocidade, parecendo que uma outra equipe de escritores terminariam a historia já iniciada.
O roteiro lembra uma cópia óbvia de Leone “O Bom, o Mau e o Feio”, três pistoleiros estão novamente disputando um tesouro escondido. Mais uma vez, há o caçador de recompensas, o bandido mexicano e um inescrupuloso aproveitador. Parece até uma homenagem que não desrespeita em nada o Trio de Leone. Até a cena do duelo final lembra mesmo o duelo de “Três Homens em conflito” mas o fechamento une os três em disparar tiros contra um velho órgão do monastério onde as moedas estavam escondidas provocando uma verdadeira chuva de ouro.
Castellari acrescenta muitos bons clichês de sua autoria como o reflexo no vinho derramado na mesa; entrada do “Estrangeiro” na taberna com o fundo na cor vermelho vivo, os flashes de luzes em seu rosto, refletindo o clarão dos tiros disparados de sua arma contra os bandidos, e a maneira lúdica de mostrar o ouro que é descoberto no final. Embora inacreditável, muitas das cenas de luta foram bem encenadas e dirigidas. Duas cenas de luta em particular (a luta do mercado e a da luta na casa de banhos) foram muito bem feitas. O diretor também não teve medo de tentar efeitos diferentes com a câmera em Close-ups e Stare-Downs (Jogos de Olhar).
Pode-se dizer que esse filme tornou-se Cult porque passou pelas mãos de Tatiana Casini Morigi que através do toque feminino conseguiu uma edição perfeita nas cenas.
A bela atriz Stefanie Careddu aparece muito pouco mas vale a pequena presença desta mulher que todo bandido gostaria de ter para ele. O filme é divertido, violento e frio; Um Spaghetti Western tradicional, pois nele não há regras, não há lealdades duradouras, e não há certo ou o errado, apenas fazer o que for preciso para se obter o tesouro custe o que custar e, embora o filme não seja um clássico, o final certamente é diferente. Uma trilha sonora digna de um clássico mais uma vez neste o cantor Raoul foi o escolhido para interpretar uma simples e pequena letra de música que se tornaria inesquecível para quem ouviu dentro da sala do cinema.
O meu amigo Zé Carlos (extinto Projeto-Isbumplace) fez uma cortesia em me enviar a música tema deste filme que também é considerado um dos mais cultuados no Brasil exibido também em nossos cinemas em sua época, em Setembro de 1967, a exatamente 44 anos atrás com o título de “O assassino de Olhos Frios” Este filme não é tão bom quanto aos filmes de Leone, é claro, mas como diz Monetero:
“E quando eu morrer, alguém me enterrará. Se não me enterrarem que diferença faz?
Quem vai se importar?”
É isso... Quem se importa?

12 comentários:

  1. Gosto muito desse filme. Me surpreendeu positivamente. Quando fui vê-lo não tinha a expectativa muito alta, mas deparei-me com um eurowestern muito interessante. Da lista de filmes que você procura, tenho "Peça Perdão a Deus Nunca a Mim" legendado, mas creio que não é esse que você procura, mas a versão dublada no Brasil, correto? Grande Abraço, caro Edelzio!
    LeMarc

    ResponderExcluir
  2. Este filme realmente é um dos mais vendidos até hoje no Brasil assim como "Três Homens em Conflito". A música faz com que o filme se torne Clássico.
    Quanto ao filme "Peça Perdão a Deus Nunca a mim" com George Ardisson eu tenho as versões em Italiano e Alemão legendadas e estou realmente procurando a versão dublada em portugues que alguém tem guardado em alguma gaveta por ai.
    Sei que ele vai aparecer e aos poucos vamos resgata-los para os fãs.
    Agradeço desde já a atenção e parabéns pelo seu blog.
    www.sarrabulhadacult.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelos parabéns ao meu blog, eu também gosto demais do Seu "Bang Bang a italiana no Brasil". É bom demais. A seleção de músicas do player está de arrepiar. Aguardamos as entevistas com as feras, ok?! LeMarc

    ResponderExcluir
  4. O filme não me agradou muito. A cena inicial me pareceu grotesca, imitando os três personagens dos filmes de Leone. Quando a imitaçaõ é muito
    evidente, me sinto engando. Talvez eu seja muito intolerante com isso. Mas, sou fã do George Hilton, o Gilbert Roland sempre se sai bem nos seus filmes, a música é boa e o bom elenco coadjuvante é nosso velho conhcido. Vou dar mais um tempo e rever este cult, com outros olhos, para não ser injusto.

    ResponderExcluir
  5. Joailton
    Se você percebeu a ligação com os filmes de Leone hoje e ficou indignado, imagine como dever ter sido na época quando apareceu na tela.
    Acho que Leone, Clint Eastwood, Lee Van Cleef, Eli Wallach, enfim todos riram...e Leone deve estar revirando-se no caixão até hoje, mas faz parte da história.
    Muito Legal.

    ResponderExcluir
  6. O ator Edd Byrnes,foi também cantor.Trabalhou na famosa série policial:"77 Sunset Strip"(idem)-1958/64,com Efrem Zimbalist.Jr e Roger Smith.Ele fazia o personagem Gerald Lloyd Kookson III.Marcos Mauricio(Ibirité)

    ResponderExcluir
  7. Também não gostei muito desse Spaghetti. Achei excessivamente paródico. A cena de abertura é bem interessante com aqueles big closes à la Leone, homenageando os personagens criados por leone.Tem um que realmente lembra o lee Van Cleef.Prometia muito, mas daí para diante acho que a coisa se embaralhou demais. Ora parecia que Castellari queria fazer um filme sério, ora parecia que ele queria parodiar. Hilton faz umas caras,bôcas e olhos bem estranhos. Mas tudo bem, respeito a opinião dos amigos.

    ResponderExcluir
  8. Encontrei este filme, em DVD, com o título "Terra Sem Lei". A trilha sonora é ótima, principalmente a canção de abertura. O elenco é recheado de ótimos canastrões, só faltou o Eduardo Farjado. Um verdadeiro clássico do gênero.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Música: Alessandro Alessandroni e Francesco De Masi
      Composição: Giulia De Mutiis "Stranger" interpretada por Raoul

      É um filmão, sempre gostei dele e a letra da música também tem neste blog.
      Tem que dar uma procurada no índice para encontrá-la, pesquise por "Francesco de Masi", ok? Grato pela sua participação e será sempre bem vindo neste espaço.

      Excluir
  9. Antológica a introdução desse filme ruído de ventania poeira e janelas batendo, a cena do coveiro trazendo os caixões com o nome dos bandidos, Paco Dias, José Huerta e Jesus Sanches muito bom tenho e encontrei ele gravado só remasterizado o duplex lançado pela Spectra Nova a imagem está muito fosca como outros conjugado.

    Luiz Carvalho

    ResponderExcluir
  10. Procure na web por "Any guncan play" para achar uma cópia melhor ou
    “Vado... L´Ammazzo É Torno”

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Edelzio o meu está com a imagem ótima sem ser o duplex da Spectra Nova valeu obrigado !!

      Luiz Carvalho

      Excluir

Crítica, Opinião e Sugestão - Escreva Aqui: