Portal dedicado ao Espaghetti Western

Letras-Lyrics-Song-Sung-Espaghetti Western-História-Músicas-Entrevistas-Curiosidades-Pesquisa-Opinião-Atores Brasileiros no Espaghetti Western-Atualidades-Homenagens-Resenhas-Sinópses-Subtitles-Legendas-Filmes.

08 maio 2010

CELSO FARIA - BIOGRAFIA - BRASIL NO WESTERN SPAGHETTI 5


CELSO FARIA – Mini Biografia - ator
Nascido (Birth) 07 de Abril de 1932 em São Paulo, Brasil

Filho do ator José Jorge Faria, na adolescência estuda jornalismo, sempre lendo muito sobre teatro e cinema, sua paixão. Em 1955 faz uma ponta no inacabado “Três Destinos”, selando ai sua estréia cinematográfica, numa duradoura carreira de mais de 40 anos e muitos filmes. Destacam-se “Conceição (1960) e Luz Del Fuego (1982)”.
Coadjuvante mais conhecido por suas incursões no Spaghetti Western, firma-se a partir dos anos 70 no cinema brasileiro. Interessa-se por cinema desde a infância, pois o pai José Jorge Faria, frequentara a Hollywood dos anos 20, fazendo inúmeras figurações, como em “Four Horsemem of the Apocalypse”, com Rodolfo Valentino.
Trabalha inicialmente como jornalista e corretor de imóveis, Atua em algumas produções da Brasil Filmes, como “Ravina”. Encarna a figura do poeta Antonio Gonzaga em “Rebelião em Vila Rica”, conquistando algum reconhecimento, o que lhe permite agarrar a carreira de ator.
Bastante requisitado, participa em curto período de “Chofer de Praça e Dona Violante Miranda.
Resolve seguir para a Itália, tal como fez Norma Bengell, com quem filmara “Conceição”, no início da década de 60. Embarca em 1962 com o diretor Fernando de Barros, com indicações de que o diretor Riccardo Freda reservara-lhe um papel em seu próximo filme.
Depois de um período sem atuar, desiludido retorna ao Brasil, ocasião em que roda “O Anjo Assassino”.
Recebe em 1965 o convite do diretor brasileiro Wladimir Lundgreen, radicado em Roma para personificar um vilão em “Django não espera...mata”. Um novo gênero cinematográfico reinventado pelos italianos, (neste mesmo ano outros clássicos já começavam a serem rodados como os filmes de Ringo com o ator Giuliano Gemma e a Por um punhado de dólares de Sergio Leone).
Consagra-se então como bandido neste filme em meio a um pequeno grupo de atores brasileiros que se aventuravam pela Itália tais como: Norma Bengell, Antônio de Teffé (Anthony Steffen – o mais bem sucedido no gênero), a atriz baiana Esmeralda Barros, Florinda Bulcão (Florinda Bolcan) e Marília Branco. Destes Florinda Bulcão e Marília Branco não fizeram o gênero Western.
Celso Faria participou de 11 filmes do gênero, ora com o próprio nome ora com seu pseudônimo Tony Andrews.
Torna-se conhecido protagonizando mais de 80 fotonovelas, republicadas em português pela revista “Sonho” e trabalhando na Alemanha, onde fez 4 filmes policiais e um novela para a televisão.
Volta definitivamente para o Brasil em 1973 desempenhando o tipo ““Machão” em comédias eróticas e atuando em filmes violentos como “Eu matei Lúcio Flávio e Terror e Êxtase” veículos para sua conhecida personalidade de homem mau.

3 comentários:

  1. Caro Edelzio,já que você foi a fundo.Acrescente:Vilma Lindamar entre as mocinhas brasileiras do Western italiano,pois ela trabalhou ao lado de Robert Hundar em:"Onde Começa O Inferno"(Ramon il Messicano),de 1966,dirigida por Mauricio Pradeaux.Vilma é filha de outra atriz Maria Ribeiro(de Vidas Secas).O ator Celso Faria,trabalhou no filme:"O Bandido Antônio Dó",com cenários em Minas onde ocorreram os fatos.Bem que eu queria possuir os filmes:Rebelião em Vila Rica e O Bandido Antônio Dó.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom esse site..., adorei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Roberto.
      Seus comentários serão sempre bem-vindos.
      Um grande Abraço

      Excluir

Crítica, Opinião e Sugestão - Escreva Aqui: