Portal dedicado ao Espaghetti Western

Letras-Lyrics-Song-Sung-Espaghetti Western-História-Músicas-Entrevistas-Curiosidades-Pesquisa-Opinião-Atores Brasileiros no Espaghetti Western-Atualidades-Homenagens-Resenhas-Sinópses-Subtitles-Legendas-Filmes.

12 maio 2010

ESMERALDA BARROS - BRASIL NO WESTERN SPAGHETTI 15


"A Esmeralda foi uma boa profissional". Quando fomos filmar, ela tinha chegado da Itália e tinha crescido na escala social e causado sensação na época. Eu era jovem e um tanto impulsivo pra tentar fazer com que ela decorasse todo o script. Isso foi somente no começo, mas depois a gente acabou realmente se entendendo e deu tudo certo. Na verdade, na Esmeralda faltava alguns cacos que normalmente o ator precisa ter para enriquecer a sua cena, a sua atuação. Faltava alguma coisa dela nesse aspecto, por isso, acredito hoje que ela esteja numa faixa intermediária de atores. Estávamos jantando num restaurante grande eu e o produtor, o Dorival Coutinho quando a vimos jantando no mesmo local. Ela tinha o porte físico que eu imaginava pro papel, era bonita mas ao mesmo tempo tinha uma autoridade na expressão. Quem primeiro estabeleceu o contato foi o ator principal e produtor, o Dorival. A grande dificuldade foi que na nossa filmagem ela teve que raspar a zero, ficar carequinha da silva para desempenhar a personagem. Mas era uma boa pessoa, excelente profissional. Na verdade, naquele início dos anos 80, o Brasil estava começando a afundar na sacanagem, no sexo explícito. E isso atrapalhou atrizes como ela.
Julius Belvedere, cineasta que dirigiu Esmeralda de Barros em “Castelo das Taras” (1982).
Desde então, não há informações dela. Ela tem catalogado em sua carreira 24 longas, mas deve ter sido muito mais, esquecidos e perdidos no tempo e muitos não creditados. Não se sabe se está na Europa ou está atuando em outro campo profissional no Brasil.
Atuando na Europa no começo da década de 70, fez quatro westerns espaghetty como coadjuvante e em três deles foi dirigida pelo diretor Luigi Batzella (Dean Jones) o qual considerava sua atriz preferida para os papéis. Az vezes fazia bem a mulher rude e ambiciosa como em “A volta de Django” e “Aquela Alma Maldita” outras vezes atuava com a sensualidade fatal da bela mulata que era.
A nossa pequena homenagem a esta grande atriz brasileira que não se sabe ao certo o seu paradeiro mas para os fãs será sempre lembrada em ter participado da história do Western Spaghetty representando muito bem o Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Crítica, Opinião e Sugestão - Escreva Aqui: